quarta-feira, 10 de agosto de 2016

De maes para filhos, de maes para nós

Um texto retirado por ai escrito de mães para filhos... podemos nunca sermos mães mas filhos somos todos, a vida toda, por isso cá fica:

Nem sei bem por onde começar, filha. Há muitas coisas que te quero mostrar e tantas outras que te quero ensinar. Gostava de poder preparar-te para tudo, mas não posso. E a verdade é que a vida, cheia de surpresas, perderia o encanto.

Mas há 10 coisas que te quero ensinar:

#01 És capaz. Mesmo que te digam que não serás. Só tu poderás provar isso. Um dia um professor do 9º. ano disse-me que eu não poderia nunca ser jornalista porque era gaga. Provei (a mim mesma, estou a marimbar-me para ele) que sou capaz. Basta fazer por isso.

#02 Há pessoas parvas. Há quem goste de fazer mal, de dizer mal, só porque isso lhe dá mais gozo ou porque não conhece outra forma. É passar ao lado, afastarmo-nos ou simplesmente rirmo-nos disso. Não alimentar. Ou então, faz como eu, filha, que raramente me apercebo que elas existem, porque não as procuro e até me esqueço que as há. A ingenuidade às vezes ajuda: torna-as invisíveis e só elas bebem o veneno.

#03 Não te leves demasiado a sério. Não há pachorra para pessoas que têm os ombros sempre em tensão, que fervem em pouca água, que se alteram por dá cá aquela palha e que não têm um pingo de sentido de humor. Podes ser a primeira pessoa a gozar contigo e isso não significa pouca auto-estima, muito pelo contrário, significa que és confiante de tal forma que te dás ao luxo de poder errar.

#04 És bonita. Nem sempre irás concordar, nem sempre vais gostar do que vês ao espelho, mas se souberes que o és, mesmo que não o estejas, vais contornar o reflexo. Não faças como eu que uma vez chamei "assassina" à minha mãe porque ela me ofereceu uns calções, tinha eu uns 14 anos e dezenas de complexos em cima por ser "gorda". Do que é que isso me serviu? De nada. És bonita como és e ninguém to poderá negar. Nem tu, que eu não deixo. Nunca.

#05 É normal chorar. Ouviste-me chorar quando estavas ainda na minha barriga? Perdi o meu tio querido inesperadamente e chorei, chorei muito. Comigo funciona como catarse, liberta-me dos pesos e da garganta apertada. Não resolve nada, mas ajuda-me. Chora as vezes que for preciso. Mas não percas muito tempo nisso sozinha, pede-me ajuda, não há nada que um colo morno não amenize.

#06 Não escrevas "hades" nem "fizes-te". Ninguém é melhor do que ninguém por escrever bem, mas não dar erros não custa assim tanto e demora o mesmo tempo. Para isso, aplica-te nas aulas, erra muito, mas aprende. Não te recrimines, mas sê exigente e esforçada pela vida fora. Em tudo. Vais ver que compensa, mais tarde ou mais cedo.

#07 Brinca muito. A vida toda. Ver o mundo de forma pueril e divertida faz bem à alma. Canta, dança, suja-te, diz disparates, faz um strip ao teu namorado (mas só com uns 40 anos, antes não te dou permissão), não tenhas vergonha. Diverte-te, brinca, ri-te alto, bem alto.

#08 Ama. Ama muito, de coração cheio. Confia, entrega-te, desilude-te e volta a amar. Não há amores para vida, apesar de todos eles o serem. Todos eles te constroem, te acrescentam algo, mesmo que alguns só pareçam uma conta de subtracção.

#09 Muda. As vezes que forem precisas. Muda de casa, de trabalho, de opinião. Só assim se cresce, só assim se aprende. Não há nada mais digno do que humildemente recuar. Recuar para depois avançar, sem medo.

#10 Vai. Mesmo que isso me possa custar, vai, filha. Vai, vai viver, vai ser. Viaja, parte, recomeça. Aventura-te, arrisca, sê corajosa. No meu coração a palavra "regresso" vai estar gravada, mesmo que dele nunca partas.

Sem comentários:

Enviar um comentário