quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Voltar à realidade

E já voltei à realidade, já passou quase uma semana desde que voltei de ferias... mas tenho andado motivada o que facilita o trabalho... Este fim de semana vai servir para organizar a casa, limpar e arrumar as "tralhas" da praia.

Para setembro a minha Mãe volta ao trabalho...vai ser a prova dos nove, ao fim de 6 meses de baixa vamos ver como vai reagir a todo... tenho medo que ela nao aguente o stress que é exigido... mas tenho muito Fé, a mesma Fé que tive em meados de Fevereiro, tenho tanto medo que possa voltar a acontecer, peço ao meu Deus que me guia e que me ajude nesta doença...

Agora vamos aproveitar os raios de sol que daqui a nada é Natal lol

domingo, 14 de agosto de 2016

Indo eu, Indo eu a caminho do...

A caminho da "minha" serra... é ja amanha que partimos para mais uns dias de descanso... quero aproveitar mesmo para descansar, comer e beber lol ... vou levar o PC para ver uns filmes à noite é que nos últimos tempos tem sido impossível... até 6 feira querido diário, trabalho e casinha :)

PS: Maria, tens que ser mais tolerante, falta-te crescer esse bocadinho.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Passado 2 anos...

Acho que ainda nao contei... ontem vi o outro, sim o outro, aquele que nao via à dois anos e que nos entretantos me mandou 2 mensagens... queria saber se eu tinha visto nao sei quem, e eu naquele meu nervosismos já habitual numa situação destas lá respondi, podia ter corrido pior, mais tambem nao desejo vê-lo tao cedo.

A GERAÇÃO DE MULHERES INAMORÁVEIS!

Li por ai:

"Uma vez, em um bar, ela me disse: “Neste mundo existe pessoas inamoraveis, e eu sou uma delas”…
Aquilo me intrigou durante toda a noite, uma palavra fora do dicionário que ela usava para se descrever, e por que? A observei enquanto ela, tímida, finalizava mais um copo de cerveja. Eu estava com ela havia quatro horas, quatro horas onde conversamos sobre filosofia, arte, astrologia, cinema e viagens… Quando ela se dirigia ao garçom o bar inteiro parava para vê-la… Tinha seu carro, sua casa e era do tipo que não dependia de ninguém, então por que pensar assim? Teria ela se fechado?
Ela fez uma cara de entediada e me chamou para caminhar enquanto fumava um cigarro, até a saída sorriu e comprimento todo mundo com aquele jeito sapeca de menina do mundo…
Aquilo tudo era muito pequeno e raso para ela, conclui.
Na rua todos passavam apressados, ela se divertia com os animais abandonados, abaixou e entregou sua garrafa de água pró morador da rua, explicou o endereço de uma balada em alemão para um estrangeiro perdido que agradeceu com um sorriso, comprou chicletes de uma criança
E na minha cabeça só ecoava: inamorável.
Foram horas observando aquela garota, até não me aguentar e voltar no assunto… Eu queria entender melhor, eu queria uma definição como num dicionário. Então ela pegou minha mão e me puxou para um bar onde tocava uma banda de rock, ficou em silêncio por longos 30 minutos observando tudo até que disse: – Olhe ao seu redor, estamos já a um tempo aqui. Durante esse tempo por nós passou uma garota chorando por que seu namorado terminou com ela ontem e hoje já está com outra, pois acredita que pessoas são substituíveis… naquela mesa tem 10 pessoas e elas não conversam entre si pois estão nos seus smartphones, talvez aquela garota de vermelho seja a mulher da vida do cara de azul, mas ele nunca saberá pois é orgulhoso demais para tentar. Veja o rapaz de pólo no bar, é o terceiro copo de martini que ele toma olhando pra loira tentando chamar a atenção do vocalista que fingirá que ela não existe por causa da ruiva e da morena que ele pega em dias alternados, e ele não pode ficar mal perante as outras.
Olhe ao seu redor, não fazemos parte disso, não somos rasos, realmente não fazemos parte disso, entramos sem celular na mão, esperando encontrar pessoas legais, com papos legais, com relações reais e voltamos para casa sozinhos, somos invisíveis num mundo de status onde as pessoas não vão te querer por que você mora longe, ou por que não gostam da sua cor de cabelo ou por que você não curte os beatles, acontece tudo tão rápido que as pessoas estão com preguiça de fazer o mínimo de esforço para conhecer realmente alguém e tudo é medido em likes. Eu passo por essa legião como um fantasma pois eles estão ocupados demais para ver quem está redor enquanto procuram alguém no tinder. E eu me importo? Não mais. Sou inamoravel por que não me importo com nada disso.. Nenhum desse status, não ,e importo em quanto tempo levo para conquistar a pessoa, se ela realmente vale a pena, não me importo se terei que atravessar a cidade para vê-la quando tiver saudades e não me importo se ela me presentear com um ingresso pra ir ver o show dos beatles por que é importante para ela mesmo eu detestando a banda. Por que eu sou assim, e se antes era o que procurávamos em alguém, hoje em dia somos considerados inamoraveis por manter o coração e a mente aberta.”
Naquele momento eu a entendi, e me apaixonei pelo mundo dela."


Não conte nada à ninguém e seja feliz!

Li por ai:

"Um dia, perguntei a um poderoso amigo Francês por que os ricos de sua terra eram discretíssimos em relação à dinheiro, a ponto de jamais tocar no assunto e levar uma vida de classe média. Num surto de sinceridade, meu amigo, cujas filhas só ficaram sabendo aos 30 anos que o pai tinha um avião, disse: ” Tão perigosa quanto a inveja é a capacidade de o ser humano achar que chegou ao topo. Quando ele acha que pode tudo, começa o fim.” Bruno Astuto para a GQ Brasil de dezembro, n.º 33 – Edição Especial Men Of The Year 

Minha avó já dizia, contra a inveja, o silêncio. Ninguém precisa saber da sua vida, das suas conquistas, dos caminhos que pretende seguir, dos tombos, fracassos, enfim, da sua rotina. Você não deve explicação à ninguém.
Não precisa sair por ai gritando a felicidade ou reclamando no facebook, viver a sua vida, já está de bom tamanho. Ninguém é feliz e tão bem sucedido como no facebook.
Você não precisa fazer propaganda da sua vida em uma rede social para dizer que é melhor do quê o outro. Ninguém é melhor do quê ninguém, o dinheiro faz (de conta) que umas pessoas são melhores que as outras, quanto engano.
Ficar mais em silêncio. Tenho à péssima mania de contar algumas conquistas e coisas bacanas para os outros. Mesmo sendo bem seletiva, descobri como poucas que a inveja não tem nome ou sobrenome, vem de quem a gente menos imagina. Além do silêncio, a outra meta é fazer coisas acontecerem, sem ninguém perceber. Como já disse e repito, não conte a sua vida para ninguém e verá como sera feliz.
É Bruno Astuto, se tem uma frase que marcou a minha vida e vai ser levada à risca agora em diante é essa:
” Tão perigosa quanto a inveja é a capacidade de o ser humano achar que chegou ao topo. Quando ele acha que pode tudo, começa o fim.”

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

De maes para filhos, de maes para nós

Um texto retirado por ai escrito de mães para filhos... podemos nunca sermos mães mas filhos somos todos, a vida toda, por isso cá fica:

Nem sei bem por onde começar, filha. Há muitas coisas que te quero mostrar e tantas outras que te quero ensinar. Gostava de poder preparar-te para tudo, mas não posso. E a verdade é que a vida, cheia de surpresas, perderia o encanto.

Mas há 10 coisas que te quero ensinar:

#01 És capaz. Mesmo que te digam que não serás. Só tu poderás provar isso. Um dia um professor do 9º. ano disse-me que eu não poderia nunca ser jornalista porque era gaga. Provei (a mim mesma, estou a marimbar-me para ele) que sou capaz. Basta fazer por isso.

#02 Há pessoas parvas. Há quem goste de fazer mal, de dizer mal, só porque isso lhe dá mais gozo ou porque não conhece outra forma. É passar ao lado, afastarmo-nos ou simplesmente rirmo-nos disso. Não alimentar. Ou então, faz como eu, filha, que raramente me apercebo que elas existem, porque não as procuro e até me esqueço que as há. A ingenuidade às vezes ajuda: torna-as invisíveis e só elas bebem o veneno.

#03 Não te leves demasiado a sério. Não há pachorra para pessoas que têm os ombros sempre em tensão, que fervem em pouca água, que se alteram por dá cá aquela palha e que não têm um pingo de sentido de humor. Podes ser a primeira pessoa a gozar contigo e isso não significa pouca auto-estima, muito pelo contrário, significa que és confiante de tal forma que te dás ao luxo de poder errar.

#04 És bonita. Nem sempre irás concordar, nem sempre vais gostar do que vês ao espelho, mas se souberes que o és, mesmo que não o estejas, vais contornar o reflexo. Não faças como eu que uma vez chamei "assassina" à minha mãe porque ela me ofereceu uns calções, tinha eu uns 14 anos e dezenas de complexos em cima por ser "gorda". Do que é que isso me serviu? De nada. És bonita como és e ninguém to poderá negar. Nem tu, que eu não deixo. Nunca.

#05 É normal chorar. Ouviste-me chorar quando estavas ainda na minha barriga? Perdi o meu tio querido inesperadamente e chorei, chorei muito. Comigo funciona como catarse, liberta-me dos pesos e da garganta apertada. Não resolve nada, mas ajuda-me. Chora as vezes que for preciso. Mas não percas muito tempo nisso sozinha, pede-me ajuda, não há nada que um colo morno não amenize.

#06 Não escrevas "hades" nem "fizes-te". Ninguém é melhor do que ninguém por escrever bem, mas não dar erros não custa assim tanto e demora o mesmo tempo. Para isso, aplica-te nas aulas, erra muito, mas aprende. Não te recrimines, mas sê exigente e esforçada pela vida fora. Em tudo. Vais ver que compensa, mais tarde ou mais cedo.

#07 Brinca muito. A vida toda. Ver o mundo de forma pueril e divertida faz bem à alma. Canta, dança, suja-te, diz disparates, faz um strip ao teu namorado (mas só com uns 40 anos, antes não te dou permissão), não tenhas vergonha. Diverte-te, brinca, ri-te alto, bem alto.

#08 Ama. Ama muito, de coração cheio. Confia, entrega-te, desilude-te e volta a amar. Não há amores para vida, apesar de todos eles o serem. Todos eles te constroem, te acrescentam algo, mesmo que alguns só pareçam uma conta de subtracção.

#09 Muda. As vezes que forem precisas. Muda de casa, de trabalho, de opinião. Só assim se cresce, só assim se aprende. Não há nada mais digno do que humildemente recuar. Recuar para depois avançar, sem medo.

#10 Vai. Mesmo que isso me possa custar, vai, filha. Vai, vai viver, vai ser. Viaja, parte, recomeça. Aventura-te, arrisca, sê corajosa. No meu coração a palavra "regresso" vai estar gravada, mesmo que dele nunca partas.

sábado, 6 de agosto de 2016

Oi, voltei...

"O defeito profissional de quem olha para a periferia da vida, de quem tem o olhar camaleónico dos ângulos mortos."
 
 
E já foi e já vim... este ano as ferias voaram como nunca tinham voado... com sabor a toda e com a certeza que só quando saímos da nossa zona de conforto é que conseguimos e mais nao digo. Falta-me a coragem.
 
Para a semana à mais... espero que desta vez com menos calor.