domingo, 7 de fevereiro de 2016

A reler

«Viciei-me no caminho, no seguir, no descobrir. Na viagem. Caminhos que não são rectos. São sinuosos, curvos. cíclicos. Sobem e descem, por vezes são mais planos, outras são duros e apetece voltar atrás. Mas há que seguir. Sempre. E quanto mais se segue e descobre mais difícil é parar. Já não se pode voltar atrás. Nunca. Nada volta para trás. Tudo evolui, se regenera, se transforma.
Sigamos então caminho, ao nosso ritmo, mas sem esquecer os ritmos que nos unem a todos.»
 


Trabalhando, organizando e a tentar novamente combater uma depressão, a depressão da minha Mãe... como é difícil: paciência e amor, muito.

1 comentário:

  1. Bem...isso também não anda nada fácil para os teus lados. Coragem e ânimo ;)

    Abraços e beijos!

    ResponderEliminar