quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

E a terra girou mais uma vez...

E a terra girou mais uma vez em torno do sol, a vigésima sétima vez desde que nasci, mais um ano que passou, mais uma oportunidade de viver, de mudar a historia, de reagir aos desafios da vida...
Muita coisa aconteceu, a um ritmo acelerado, de extemos, de alegria e tristeza numa questão de segundos... Foi um ano que começou com um sonho e "conseguimos", para logo a seguir ficar sem chão, foi ai que comecei a acreditar em milagres, é a única explicação que encontro para ter a minha Mãe aqui e agora ao meu lado e bem... Foi o ano que andei pela primeira vez de avião, e o motivo foi ainda melhor, foi uma experiência que vou levar para a vida... foi o ano em que permiti-me sair mais, conheci o sul, o centro e o norte... foi mais um ano em que me apaixonei 365 dias sem nunca te conhecer, acho que ja vives em mim... Foi dos anos em que tive o prazer de conhecer mais pessoas, pessoas diferentes, pessoas que sem saberem marcaram-me, que de uma forma subtil entraram na minha vida, para logo de seguida partirem mas como diz o Principezinho Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.... Foi o ano em que tive que ser forte, onde aprendi a colocar a mascara quantas vezes necessárias pois ninguém tinha que saber o que estava acontecer... Foi o ano em que tive que ser firme e confiante, pelo menos tentei... Nao foi o ano onde a minha tolerância teve no seu melhor nível, nisso ainda tenho muito que apreender... É o ano que está a terminar e em mim cabem todos os sonhos, todos os amores, todas as paixões, todos o desejos para que tudo corra da melhor forma para mim, para ti, para nós... que o resto das nossas vidas sejam comandados da melhor forma, com a maior garra, com a máxima destreza, de preferência fora da zona de conforto, é ai que está o que ambicionamos.
Há... também foi ano em que cantei num estádio cheio de portugueses em França ao som da musica do Xuto e Pontapés "A minha alegre casinha" e foi aquela coisa... e mais uma vez apaixonei-me por ti, por tudo. Aqui fica a musica deste ano como nao podia deixar de ser...

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Jantar

E já foi... e correu bem. Foi aquele jantar que começou acanhado, aos pouco foi-se conhecendo melhor as pessoas, com momentos iniciais de olhar para o tecto, para algum lado que nao sabia qual... mas no fim,  a conversa já estava a fluir... venha mais.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Tempo ou a falta dele

E porque estamos quase a terminar mais um ano e porque me identifico com cada palavra, aqui fica um texto que fala sobre o tempo ou a falta dele, um mal que me queixo à anos, aquele sensação que ele corre à nossa frente, um mal consciente e presente, que tento corrigir, mas na maioria das vezes em vão... vou ter que mudar de estratégia, mas como!? se eu soube-se...

"Nascemos, vivemos e morremos. É ponto assente. Volto sempre a uma frase que me disseram um dia, há anos: life is hard and then you die. Realmente ninguém disse que seria fácil nem tão pouco nos preparou para algumas adversidades inerentes a esta correria que é a nossa Vida. Existimos, sobrevivemos, lutamos e vamos vivendo. O tempo passa e não nos apercebemos como ele não passa simplesmente. Ele corre. E nós vamos andando. E o tempo correndo.
É uma corrida injusta, desumana. Não há descanso, nem paragens. O tempo, esse não pára. Não. Corremos contra um relógio, que insiste em só andar para a frente. Nunca para trás. Nunca.
Vivemos, trabalhamos e morremos. Assim é que é. Enjaulamo-nos num emprego ou em muitos, para ganhar dinheiro, para podermos ter uma vida melhor. Será? Fica a sensação que perdemos a vida a tentar ganhá-la. Corremos de um sítio para o outro, sempre atrasados e com pressa para chegar…onde? E quando paramos? Aproveitamos o tempo? Os dias passam a voar, e assim as semanas, os meses e os anos. E nós eternas vítimas de um molestador imparável que nos inflige o maior mal de todos, o tempo. E com ele a pressa.
Com a pressa, esquecemos os pequenos detalhes do dia-a-dia que, apesar de rotineiros, são singulares. Com a pressa, esquecemos que cada dia que passa é mais um que vivemos, menos um que nos resta. Com a pressa, esquecemos que só vivemos uma vez. Com a pressa, não disfrutamos, usufruímos. Com a pressa, esquecemos o que realmente importa.
Tomamos consciência da passagem do tempo através dos “alguéns” da nossa vida. Os que já foram, os que se mantêm e aqueles que ainda hão-de vir. As pessoas. O tempo passa, corre até, e as pessoas da nossa vida resistem-lhe. Persistem. E isso é um bom sinal. Mudam-se os tempos, mas afinal não se mudam as vontades.
Os amigos. A família que escolhemos e, o tempo que lhe disponibilizamos. Os momentos, as conversas, as partilhas e as experiências. Tudo. Os amigos, são tudo. Não são muitos, nem são poucos. Suficientes. Presentes na vida há tempo suficiente para se dizer que são pessoas da nossa vida. É isto! O tempo corre e elas ficam. Os anos passam e elas não vão embora. Acompanham. Partilham. Existem para nós, sem pressas. Amigos, com e sem tempo. Amigos.
"

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Faltam 8 dias

E faltam 8 dias, para a próxima segunda feira... onde estarei, como terá corrido?! Nao sei porquê mas começo a estar nervosa e nao me perguntem porquê? Talves porque me falte a confiança necessária, talvez porque "sim", talvez porque nao vá a um jantar destes à seculos... mas estou contente, seja o que Deus quiser... como diz o outro "Inspira, respira mas nao pira."

Made in Capazes: Só nos sentimos tristes quando não estamos no caminho certo.

domingo, 18 de dezembro de 2016

Domingo...

E o Natal esta ai à porta... por isso e porque hoje só vou trabalhar mais logo, vim cá desejar a todas as alminhas que por aqui andam um Excelente Natal...

sábado, 17 de dezembro de 2016

Aquele momento de pseudo felicidade/espanto

Quando ligas o telemóvel que está desligada à mais de uma semana, porque nao precisas dele, porque simplesmente ninguém vai entra em contacto contigo pela aquela via... E reparas que tens uma mensagem de algum que pensavas que já nem lembrava de ti, a desejar te um feliz natal, de uma maneira "personalizada"... É aquele breve momento de contentamento...

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Li por ai

Li por ai e gostei, especialmente da ultima parte:

"No fundo, como te dizia no começo destas linhas que já vão longas (os velhos têm esta mania de falar demais, de contar demais, de saberem demais, mas ninguém quer saber dos velhos até que chega a velho e aí são os outros que não querem saber de quem não quer saber dos velhos, mas eu não me incomodo, a lei da vida é também a lei da morte, fiquei a saber há muito), quando leres estas palavras provavelmente já terei morrido. Mas tu não. Tenta fazer disso uma vantagem."

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Loucura

Andas a fazer falta, sabias?! Não sei por onde andas, nao sei nada de ti... Continuas a invadir os meus sonhos naqueles instantes antes de adormecer...Sou louca o suficiente para te amar, a ti que mal te conheço, a minha mente tem dom de te desenhar... Sou louca o suficiente para te procurar diariamente nos rostos que se cruzam comigo... tento em cada olhar encontrar-te, ainda tenho a esperança de descobrir-te por detrás de algum rosto... No dia em que deixar de ser louca, morrerei... A loucura que me carateriza só eu a conheço, é uma loucura sã, é o que me faz levantar todos os dias, é a loucura que me dá a coragem e a força porque de sábios e de loucos todos temos um pouco...

domingo, 11 de dezembro de 2016

Inesperado

É na correria do dia-a-dia que o inesperado acontece, é no meio dos nossos sonhos que acontece o que ainda nao tinha sido sonhado... Sonhar talvez seja uma palavra demasiado forte, mas mesmo assim tenho a ousadia de usa-la porque mesmo aquelas pequenas coisas que para uns é insignificante para outros é a esperança, é voltar a acreditar, é voltar a fazer algo que nao fazia à seculos... É uma oportunidade, é uma recompensa, é o destino, é a ironia... no fim até posso vir como fui... pode nao passar disso... como é o mais certo... Mas já valeu o convite, já valeu por saber que vais estar lá, vai valer a experiencia, vai valer sair da zona de conforto, vai valer o desconhecido, vai valer ir...

Até lá vou sonhando... nisso fui uma prendada tenho uma imaginação que constrói verdadeiros relatos... todos os pormenores já ca estão... mas aviso-te querida imaginação, nunca nada é como imaginas... tens em ti todos os sonhos à muito pensados... talvez um dia, talvez um dia seja o dia... até lá vive.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Bravo

E adorei...

"Morta por dentro mas de pé como uma Arvore" porque As Arvores Morrem de Pé... Parabéns Manuela Maria, para mim a melhor atriz da sua geração e hoje tive o prazer de a ver.

O Chiado está magico

O D. Maria está um encanto

E hoje descobri mais um bocadinho de Lisboa

E quero fazer mais sessões destas

Haja Saúde e trabalho...

Uma ótima semana!!!... que a partir de agora vem ai muito trabalho... Quem inventou o Natal certamente era um excelente comerciante (pensamento do dia)

sábado, 26 de novembro de 2016

Li por ai...

Li por ai... e gostei!

"Depois de um longo relacionamento, me vi conhecendo pessoas e descartando, fiquei muito seletivo, não por buscar a perfeição mas por falta de afinidade, por não cometer nem aceitar os mesmos erros. Decepções diversas, pensei em desistir, cansei de tentar. De tanto que a gente apanha, é difícil sentir tudo outra vez. Aposto que você me entende. A gente se reserva pra se preservar, é como se a gente caísse na real de que a maturidade que a gente tinha não era o suficiente pra manter a gente no pé, daí a gente cai como fruta podre e depois tenta renascer, das sementes a gente tenta se reinventar e o tempo ajuda a gente. De uns meses pra cá, parei pra pensar por onde andam as pessoas, que como eu, procuram alguém interessante o suficiente pra deixar a gente mais a vontade, pra acordar com a cara marcada de lençol, pra encostar o rosto no ombro e entender que aquele gesto não é só um gesto de carinho, aquele gesto é uma cumplicidade de almas, uma ligação de vidas diferentes, um encontro de olhares, é uma poltrona pra ver as estrelas sem sentir o tempo passar, é um corpo que ali te propõe um momento pra refletir enquanto a brisa do mar bagunça o teu cabelo. Mas confesso que está cada vez mais difícil encontrar alguém assim. Alguém que saiba ser feliz também sozinho, que não se perca e não me perca, que não se perca dos seus próprios anseios, que não fique com medo das ondas, que tire os pés da areia e se entregue por inteiro, que não seja superficial como tanta gente que encontrei.
As pessoas estão cada vez mais com preguiça de se dispor, de ter que voltar ao inicio e contar toda história da vida de novo. As pessoas não dão e nem esperam mais respostas de ninguém, elas não suportam mais ter que responder alguém que não sejam seus amigos. Não ligam, deixam pra depois. As pessoas esquecem umas das outras com tamanha facilidade. Quando não se interessam mais dizem estar ocupadas, não prestam atenção, somem. As pessoas se interessam pelas características que existem nas fotos das redes sociais, pelo que diz uma bio de quatro linhas sobre o outro. Fica fácil se arriscar, fica mais fácil ainda desistir de tudo mesmo quando nem começou. As relações são instantâneas e os amores cada vez mais efêmeros. ”Eu te amo” se tornou ”bom dia”. As pessoas namoram porque não querem se manter solteiras por tanto tempo, ou por medo de ficarem sozinhas, por acharem que ir ao cinema acompanhado ou tomar um sorvete e conversar sobre séries é mais legal quando se tem alguém, ou pra fazer ciúmes ao ex, pra mostrar que deu a volta por cima, que conseguiu se envolver com outra pessoa (e muito provavelmente fez tudo isso porque não esqueceu do ex ainda), ou porque querem mudar os status nas redes sociais, ou porque acham que ter alguém pra preencher alguns espaços vazios é melhor que não ter ninguém. Namoram por qualquer coisa, menos por amor, e é justamente por isso que as relações hoje em dia não duram, dá ”match” mas não dão em nada.
E eu não sei exatamente se o problema é meu, por ter me tornado o mais seletivo possível porque as pessoas que já passaram por mim me causaram alguma decepção, ou se está mesmo difícil encontrar alguém interessante no meio de tanta gente que se esquiva. Talvez o problema esteja exclusivamente em eu me desinteressar tão rapidamente quando alguém erra feio comigo, porque eu já não tenho mais paciência pra admitir erros, engolir defeitos, porque o meu medo a essa altura do campeonato é perder tempo, é ficar com pessoas que me fazem perder tempo. Nesse receio de perder, eu acabo perdendo também as oportunidades que me aparecem, em busca de alguém que cuide de mim como estou disposto a cuidar, alguém que não me machuque, não me decepcione, e talvez eu esteja em uma busca sem fim porque as pessoas não são perfeitas, as pessoas erram, eu sei. Mas talvez, essa seletividade que eu tenho, sirva pra eu nunca me abandonar, sempre me encontrar quando eu mais precisar e quem sabe, quando estiver bem comigo mesmo, encontrar alguém que me acolha, que esteja disposto a enfrentar todas as tempestades, que mergulhe nas mais profundas partes de mim, alguém cheio de imperfeições mas que não me abandone por conta das minhas, alguém que dê passos pra frente comigo, que desperte em mim vontade de ser e dar sempre o meu melhor. Tá cada vez mais difícil encontrar alguém que puxe a gente, que desperte o nosso interesse, sabe? Alguém que faça a gente continuar com um companhia tranquila e sem cobranças. Alguém que se conecte com a gente além do mundo virtual e mensagens de bom dia.

Não sei se eu me tornei desinteressante ou se esse tanto de gente que passou por mim só serviu pra me tornar mais exigente e maduro. Queria muito poder sair, num dia qualquer, e acabar esbarrando em quem fosse realmente interessante, inteiro e necessário pra mim. Em alguém que me apresentasse novas loucuras e manias, e que não se afastasse de mim só porque eu não consegui agradar em algum momento. Alguém que fosse maduro o suficiente pra entender que eu sou esquecido de vez em quando. Alguém que amadureça comigo, juntos. Que dispute pra escolher qual filme assistir, que jogue o travesseiro pra me acordar, que não necessariamente me observe enquanto durmo, mas que algumas vezes, durma antes de mim e me deixe provar no silêncio das situações o gosto sincero de quando a gente se entrega sem pensar duas vezes.
Enquanto isso, eu continuo me dedicando ao trabalho e às viagens que pretendo fazer. Levo os cachorros pra passear no final da tarde, leio alguns desses textos que falam sobre como as pessoas se perdem umas das outras sem nem terem se encontrado. Hoje, eu quero ser somente meu e de mais ninguém, e só saio daqui por alguém que seja capaz de me tirar do meu limbo e me faça sentir que, de fato, valerá a pena compartilhar o meu tempo e ocupar a minha vida com alguém. Enquanto não acontece, assumo um relacionamento sério comigo mesmo, já que gente interessante parece estar em extinção."

O acaso da propria vida

Acho que já escrevi aqui esta "convicção" varias vezes... acredito que nesta vida nada acontece por acaso, quer as coisas boas ou as menos boas fazem desenrolar uma serie de acontecimentos... depois resta-nos encaminhar o destino, ter a coragem de escolher, ter a ousadia de arricar... o caminho lentamente abre-se mas somos nós que temos a última palavra...

Pode parecer insignificante, simbólica mas este fim-de-semana vou ao Teatro pela primeira vez ver uma peça de teatro a serio... à sempre uma primeira vez para tudo, né! Este estava na minha lista de objetivos (se assim posso chamar) a concretizar à um tempinho, por isso: esta quase check.

Bom fim de semana!!!

(hoje ouvi esta na rádio... é tao velhinha e deu aquela nostalgia)

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Apreciar

As vezes é preciso distanciarmos, deixar passar uns dias, para sabermos apreciar o que foi um bom momento....

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Voltei

E já voltei... ja acabaram as minhas micro-ferias. Soube bem, é sempre bom sair daqui e conhecer outras paragens, outras caras... (Só por curiosidade pelo caminho antes de irmos para a residência fomos só espreitar um bar todo engraçado que havia lá ao lado, apenas demoramos 5 minutos, mas ocorreu-me uma pergunta, porque é que todas as pessoas que frequentam este tipo de espaço são giras!? opá que coisa que até irrita lol...) adiante.

Para o próximo domingo vou até à capital ver os efeitos de natal e passear um pouco, acho que já não vou lá à uns 6 meses... depois disso vem ai o mês de Dezembro, e o que quer isso dizer: muito trabalho, e ele que venha... muita agitação, muita festa, a crise deixa de existir, os emigrantes voltam, todos voltam a terrinha, e todos querem dar o melhor que podem aos seus mais chegados, mesmo que em Janeiro nao acha dinheiro nenhum, o que interessa é o natal, as tristezas são postas de lado ou então aumentam porque se sente falta das pessoas que ocupavam um lugar na mesa da consoada, todos dão beijinhos e desejam um Santo e Feliz Natal sem saber muito bem o que isso quer dizer... Eu apenas desejo que seja uma quadra tranquila, com saúde, paz, amor, e trabalho... e este ano vai haver barrete do Pai Natal na véspera da consoada para todos colocarmos... vai ser giro eheh.

Há ontem vi  "O bebé de Bridget Jones" mas nao gostei tanto como os diários... para comedia foi muito fraquinho, apesar de estarmos naquele suspense de quem será o pai da criança, não fez rir... Também achei que ficou no ar um possível novo filme, quem sabe!? Começou o frio e com isto a minha vontade de ver filmes, nao sei se acontece só a mim, mas este tempinho convida mesmo a isso... se alguém tiver sugestões de filmes (comedia romance drama) são bem-vindos ;)

 
O Ben do outro dia aparece aqui... nunca mais apareceu foi lá lol
Alguém já viu este (Armageddon)?! ainda não vi porque acho que tem 3 horas, será que vale apena!?

sábado, 19 de novembro de 2016

Inesperado

E cá vou para a festa de aniversario supressa que se tornou num fim-de-semana longe de casa... pois é vamos ficar hospedados por aquelas bandas... domingo vamos acordar a ver o mar... que bom, o que eu gosto disto... até domingo à noitinha, querida casa e trabalho.... yupi ;)

A minha mãe esta animada, o que me deixa feliz... nao sei muito bem que vai à festa mas espero que corra bem e que o pessoal seja 5 estrelas.

No fundo vai ser umas micro-ferias, mas o que adoro isso, ir para terras desconhecida ;)

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

E a escolha foi...

"Como eu era antes de você" e adorei... Agarrou-me desde o primeiro minuto, e apesar de achar todo o ambiente envolvente um pouco fantasiou-se e um cenário retirado do imaginário dos contos de fadas, a essência da historia é excelente... e a atriz principal merece nota 5.
 
Viva intensamente. Seja corajosa. Não se acomode. Use suas meias com riscas com orgulho. Saber que ainda tem possibilidade é um luxo... Só vivia bem. Só vivia.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Quem dá mais...

"Como eu era antes de você" ou "O bebé de Bridget Jones"... qual vai ser esta noite? Já ando para ver estes dois à algum tempo... se houver por ai alguma alminha, apostava em qual!?

Um regalo à vista

Trabalhar com o publico tem destas coisas, por vezes aparecem lá uns moços giros... e hoje foi esse dia, entrou-me pela porta um Ben Affleck, lol... desde o Pearl Harbor que acho piada ao moçoilo. O dito cujo era mesmo giro, era parecido com o Ben, tinha um corpo top mas nada de exagero, vinha de fato treino (eu adoro ver um homem de fato de treino), era simpatico, tinha aquela cara laroca  e depois começou-me a tratar por "tu" o que não é muito comum... certamente, nunca mais vou vê-lo mas pelos menos deu para "lavar a vista" lol
 
Com quantas pessoas nos cruzamos numa vida e não passa disso!? muitas...

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Voltas da vida

E a vida dá mesmo voltas, umas vezes comandamos nós,  outras vezes comanda ela... ás vezes já não sei quem é que decide mais, se nós se a própria vida... também sei que à decisões que mudam o rumo, umas vez por bons caminhos outras vezes por caminhos atribulados, outras nem sequer sabemos o que vai de lá sair... acho que é ai que me encontro neste momento... esta situação nao podia continuar, a saúda está em primeiro lugar, e à doenças que limitam, mesmo que aparentemente esteja tudo bem, e ter a consciência disso dói... só espero que tenha sido a melhor decisão.

Pensamento positivo é fundamental... e por falar em coisas positivas, é já este fim-de-semema que vamos ter festa de anos... lá vamos nós rumo a capital para uma festa surpresa. Ando aqui a pensar o que vou vestir, este tempo está tão instável que nem sei...

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Conhecer-me

Acho que nunca nos conhecemos a nós próprios, cada dia é uma descoberta, uma vezes surpreendemos de forma positiva outras nem por isso... mas sei uma coisa: só consigo dançar ao som de uma musica que toca na radio, quando estou bem, quando estou tranquila, calma... hoje consegui.

Estou com saudades de ver um filme, já nao vejo à um tempito. Estou a precisar de sair do meu mundo e viver noutro. Para a semana tem que ser, assim espero... já alguém viu o novo filme da Bridget Jones?! Vale apena...

Bom fim de semana!!!

Montanha russa

A minha vida é um trambolhão, uma montanha russa, um gráfico com incógnitas... os meus dias, a minha ultima semana foi de loucos, e quando tudo parece estar bem, está tudo mal, e isso é o que mais me assusta não saber interpretar. As vezes perguntou-me como é possível haver uma doença assim, capaz de "manipular" o nosso próprio pensamento...

Neste momento estou bem, estamos bem, pelo menos acho que sim, mas sei que a qualquer momento tudo pode mudar... Sei que só o tempo trará resultados, só espero que seja rápido.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Dias

Há aqueles dias em que até te consegues ver uma miúda mais ao menos normal, depois à outros dias em que vez uma miúda horrível... Hoje estou na segunda hipótese... que raiva.

Amanha é outro dia, é o que vale.

domingo, 30 de outubro de 2016

Made in: Capazes

E como hoje é Sábado e à textos que gosto...

"Hoje, voltámos para os braços um do outro. Não foi preciso sentir os teus lábios nos meus, para que isso acontecesse. Também não fizemos amor. E, mesmo assim, hoje, voltámos para os braços um do outro. Trazias contigo aquele sorriso de menino, emprestado a um corpo de homem. Tal e qual o dia em que te conheci.
No dia em que te conheci, os astros deviam estar a conspirar a meu favor porque, quando te vi, mais parecia um alinhamento de estrelas, que se organizaram para te iluminar o caminho até mim. Quis o destino que, nesse dia, nos cruzássemos por intermédio de um amigo comum. O ambiente era propício ao convívio e à boa disposição. O período de férias é, quase sempre, guardado para violarmos, propositadamente, as regras que nos são impostas — e que nos impomos a nós também —, durante um ano inteiro. Não escolhemos o relógio como parceiro de viagem, fazemos questão de rasgar o plano alimentar saudável e substituímos os saltos altos pelas havaianas. Em período de férias permitimo-nos quase tudo. O que é proibido, outrora, passa a ser obrigatório nestes escassos dias a que chamamos de férias.
Quis o destino que, nesse dia, eu contasse com mais um convidado para jantar. Vestias um sorriso de menino — que nunca mais tiraste —, com pesponto de homem. Ficavam-te tão bem essas vestes. Não me restou outra solução, senão tirar-te as medidas. Alinhavei-te os contornos do corpo e decorei, de imediato, a textura da tua alma.
Eras feito à minha medida, caramba!
Foste desconhecido durante 5 segundos. No máximo. Depois disso, tive a certeza de que te conhecia desde sempre. Mesmo sem nunca te ter visto. Davas vida a qualquer história que narrasses. Eu fui leitora, assídua, de cada uma delas. Embrenhei-me nos teus enredos, vesti a pele das tuas personagens e aplaudi, em silêncio, os finais felizes de todas as tuas aventuras. Quando tive, novamente, um rasgo de lucidez, tinham passado mais de 5 horas desde que começámos a conversar.
— Não foram só 5 minutos? Eu ia jurar que sim.
Olhei à minha volta, e todas as pessoas que tinham composto a mesa do jantar, nesse dia, já tinham recolhido aos seus aposentos. Todos, exceto eu e tu.
— A sério que não passaram só 5 minutos, desde que chegaste?
Voltei a olhar para o relógio. Era de madrugada. Era tão tarde para regressares a casa. E era tão cedo para te ires já embora. Ofereci-te os aposentos para descansares o corpo. Sim, o corpo. Porque a alma estaria, com certeza, demasiado inquieta para conseguir descansar. Aceitaste. Ainda fumámos mais 2 ou 3 cigarros, antes de recolhermos. Caramba! Conhecia-te há pouco mais de 5 horas. Como era possível custar-me tanto deixar-te ir? Encaminhei-te até ao quarto. Pedi-te que ficasses à vontade. Saí, apressadamente, para apagar as luzes e fechar a casa. Só queria deitar-me na cama e ficar ali. A digerir tudo o que acabara de acontecer. Que, não sendo nada, tinha sido tanto!
— Se não tiveres sono, podes vir fazer-me companhia.
— Tens a certeza?
— Sim. Tenho. — Disseste!
Foram estas as palavras trocadas — e que guardarei para sempre —, quando passei junto à porta do quarto onde te encontravas. Não me permiti pensar muito. Deixei o receio à porta e entrei. Entrei porque precisava, urgentemente, de te amar. Precisava de vestir o teu toque e de despir a tua alma. E assim foi! Naquela madrugada, selámos, sem palavras, um amor para sempre.
Deveria ter regressado a Lisboa, na manhã seguinte. Só regressei 2 dias depois. E desde esse dia — há mais de 8 anos —, que é assim. Sem promessas, sem condições, sem restrições. Nunca chegámos a ter aquilo a que chamam de relacionamento. Nunca fomos namorados. Nem nunca fomos amantes. Fomos apenas um do outro. E, quando isso chega, nada mais há para exigir. Já tivemos pessoas nas nossas vidas que vieram para ficar. E não ficaram. Já vivemos amores e já chorámos desamores. Já achei que estávamos destinados a ficar juntos e já tive a certeza de que nunca iríamos partilhar uma vida a dois. Já te quis avidamente e já te desejei da forma mais serena que é possível desejar.
Neste momento, apenas te desejo bem. Aquele desejo de bem-querer, que vai para além da exigência física. Aquele bem-querer, que sacrifica a carne em prol da paz da alma. Porque há amores assim. Que existem para satisfazer a alma e não o corpo. Que existem para dar sentido à noção de pertencer, sem possuir.
Hoje, voltámos para os braços um do outro.
Mesmo que, desta vez, tenhamos apenas tomado um café — no intervalo das tuas duas reuniões —, sei que fizemos amor com a mesma urgência de há 8 anos atrás. Mesmo que tenha parecido apenas um café, sei que voltámos para os braços um do outro, como naquela madrugada. E sei-o, porque…
Há amores assim!"

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Sobre viagens

"...é a melhor escola da vida. Em cada viagem, muda algo cá dentro."

Made in: algures num comentário no shiuuu






Saudade, muita... mas acredito que nesta vida nada acontece por acaso, estou convicta disto, um dia tudo fará sentido, tudo vem no tempo certo, mesmo quando nao percebemos, mas nao te esqueças, não é valido deitar a sombra da bananeira... luta sempre mesmo quando nada acontece.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Made in: Capazes

Uma lição de vida para a vida:

"Tinha a cara bolachuda e cheia de sardas. Gordinha e desengonçada, era gozada por todos. O cabelo era tão rebelde que diziam que aquela cor era da fúria de o tentar domar. E para piorar o cenário, os dentes tomavam conta da boca, parecendo querer fugir daquele rosto que se delineava desagradável.
Ninguém gostava dela. Era a Gorda. Aquela que ninguém repara a não ser para achincalhar e deitar abaixo. Não sabiam o nome dela mas todos a conheciam. Não a convidavam nem para os jogos e muito menos para os trabalhos de grupo, por isso ela era imposta pelos professores a grupos que não a queriam.
Chorava sozinha, muito, durante a noite, na solidão do seu quarto, confidenciando-se à almofada. Nem ela a ouvia. Era uma infeliz que se vitimizava cada vez mais. Chorava, adormecia, acordava e voltava ao seu suplício todos os dias. Todos e todos e ainda mais outros que se sucediam, durante muito tempo.
Uma noite não chorou. Sentou-se na cama e pensou que não podia continuar a viver daquela maneira. Tinha que mudar, tomar uma atitude, melhorar a sua vida e moldar o seu destino. Não! Ela sabia que aquele era o último dia em que a atingiam, que a humilhavam e que a tratavam como lixo.
Como é complicado andar na escola e ter de enfrentar hordas de arruaceiros sempre dispostos e prontos a saquearem a nossa alma, a violarem a nossa auto-estima e a pilharem a nossa vida. Os actos mostram quem os pratica e ela sabia que tudo iria mudar.
Colocou uma carapaça de indiferença, usou a sua roupa de simpatia e boa educação e mostrou-se em todo o seu esplendor. Cumprimentava delicadamente todos, mesmo quando a maltratavam. Eram brutos com ela e ela agradecia a atenção dispensada. Atiravam-lhe borrachas e ela devolvia-as dizendo que não eram sua pertença.
Tornou-se uma aluna exemplar. Tinha sempre a matéria estudada e os apontamentos em dia. Fazia resumos que emprestava a quem lhe pedia. O sorriso que, inicialmente, era postiço, começou a ficar verdadeiro e os olhos perceberam que algo se estava a alterar.
Os professores olhavam para ela, admirados com a sua transformação. Sempre muito atenta, muito participativa e com o conhecimento organizado. Era o que se pretendia dela. Estava a florescer num jardim cheio de ervas daninhas.
Começou a ser disputada pelos colegas. Ela fica no meu grupo, não, não, fica no meu. Isso é que era bom, fica no meu! Meninos, então? Porque não a deixam escolher? O ar infeliz e desterrado tinha desaparecido, dando lugar a um semblante simpático e bem disposto.
Perguntavam-lhe como estava, se queria sair com eles, se tinha visto o filme tal ou se tinha planos para o fim-de-semana. O interesse era genuíno e a sua luta tinha dado os frutos necessários.
Olhavam para ela. Viram alguém que nunca tinha reparado. Tanto tempo a exercerem a maldade e a parvoíce tinha-lhes toldado a vista e o bom senso. Era a mesma pessoa ou eles é que tinha mudado?
Aquilo que viam era irreal! A cara era redonda, sim, mas com traços delicados onde as sardas, salpicadas à sorte, lhe davam um ar engraçado e brincalhão. O cabelo era de um ruivo exótico que deslizava em caracóis compridos e teimosos e os dentes tinha encontrado o caminho certo, mostrando-se alinhados e brilhantes.
O corpo estava mais esguio, quase que delineado, e movimentava-se com graciosidade e leveza. Toda ela era a candura que se gostaria de encontrar em qualquer pessoa. Onde é que ela tinha andado aquele tempo todo?
E aquilo que parecia impossível, a mudança da mentalidade, a forma de estar no mundo, naquela escola, aconteceu de modo gradual e inesperado. Foi ela que mudou ou foram os olhos que se afinaram?
Deixou de ser conhecida pela Gorda. Passava a ter identidade própria, a ser ela mesma. Deixou de ser transparente. Nunca mais foi gozada e passou a ser elogiada. Muito. Era uma rapariga, como as outras, adolescente, cheia de incertezas e sonhos, com um futuro que a chamava, atraída pelas tentações e loucuras de quem ainda é muito jovem.
Desculpa ter-te tratado por gorda, desculpas? Perguntavam-lhe muitas vezes. Ela dizia que sim, perdoava tudo. Era a tal mudança que tinha imposto a si, aos outros, à vida que lhe tinha pregado aquela partida no início do ano lectivo.
A história devia ter começado de modo diferente, com o início das aulas e com os colegas a perguntarem Como é que tu te chamas? Eu? Eu sou a Natércia."

domingo, 23 de outubro de 2016

E como é sabado

E como é sabado a noite e andei por ai a navegar, gostei deste das Marias Capazes:

"Decidi ir jantar contigo. Após ter esgotado todas as desculpas daquela semana, não havia como não aceitar o teu convite. Os dez primeiros minutos de um primeiro encontro são, sempre, uma mistura entre o não saberes o que fazer às mãos e a tentativa — na maior parte das vezes, frustrada — de falares, sem parecer que padeces de uma paralisia facial, com repercussões ao nível da fala. Os nossos dez primeiros minutos não foram diferentes. Não me recordo o que disse, que expressões utilizei e tão-pouco me recordo se as mãos fizeram parte do meu corpo.
— Para beber, pode ser uma cerveja preta, por favor!
Sabia que, desta forma, o embaraço inicial de um primeiro encontro ia ser eficazmente combatido. Já há algum tempo que tinha feito um compromisso comigo. Ia ser igual a mim mesma. Sem filtros. Mesmo num primeiro encontro. Portanto, pedir uma cerveja preta fazia todo o sentido. E, a partir desse momento, as cervejas que iam acompanhando o jantar foram pedidas aos pares. Foi com agrado que constatei que a cerveja era também o que acompanhava o teu jantar.
Os primeiros dez minutos foram superados com sucesso enquanto a conversa fluía, entre sorrisos — ainda meio escondidos — mas que se iam fazendo notar. No que reparaste tu, naquele primeiro encontro? Reparaste que desvio muitas vezes o olhar quando me sinto intimidada? Reparaste como tento comer pausadamente para evitar, a todo o custo, que me suje? Reparaste como me atrapalho nas respostas quando me fazes um elogio ou dizes alguma coisa mais atrevida? De ti retive que eras suficientemente polido. Tinhas as maneiras que a maioria das mulheres apreciam.
Depois daquele jantar, decidi que me ia demorar em ti. Decidi que queria ficar ali, a apreciar-te o traço. Decidi que ia conhecer o sabor do teu beijo. Mas, antes de me perder nos teus lábios, proporcionámo-nos mais um jantar, dois cafés e uma saída até às 7h da manhã. Esgotado o protocolo que confirma que: «Depois de três encontros, já pode existir o primeiro beijo», chegara a hora de reclamar, então, o beijo que estava em atraso há, pelo menos, dois encontros. Caramba! E que beijo, homem! Tinha o meu sabor favorito, a intensidade que é exigida num beijo e a sedução que antevia todo um cenário idílico.
Decidi que queria repetir os teus beijos. Decidi que seriam beijos para se fechar os olhos e viajar. Decidi que valia a pena demorar-me em ti. E, entre beijos e sorrisos, chegou a primeira mensagem a pedir-me para ir ter contigo a seguir ao trabalho. Apareceu também o beijo de boa noite, juntando-se o bom dia, ao acordar. Previsivelmente, pouco tempo depois veio também o «tenho saudades tuas». Tornaste-te, numa semana, tudo o que a mulher comum deseja. Em poucos dias, repetiste o quanto gostavas dos meus beijos, desejaste levar-me a todos os restaurantes e sítios que conhecias e mencionaste como os amigos, naqueles dias, tinham passado para plano B. Numa semana tinha passado para o topo do Abecedário.
Ser cortejada alimenta-nos o ego. Ser bem cortejada desperta-nos a alma. E assim decidi que tinha de te conhecer o corpo, para perceber se te podia entregar a alma. Programámos a fuga perfeita. Como dois amantes que antecipam horas de prazer intenso. E, a meio da semana, a seguir ao trabalho, o mundo passou a existir, só ali, naquele quarto de hotel, com música ambiente e luzes que convidavam à intimidade. E intimidade foi a palavra de ordem. Chegara a hora de te tocar o corpo. Despi-me. Despiste-te. Procuraste-me na ponta dos dedos. Desenhaste-me com beijos naquele corpo desnudado prestes a ser saciado. Tocaste-me no corpo. Não me resgataste a alma. E, naquele quarto de hotel, soube-o. Soube que não passaríamos de dois corpos que se cruzaram, que se tiveram e que, ali, iam condenar a sua história. Quando o toque não tira o fôlego, quando a respiração não te falha, quando a pele não grita, sabes instantaneamente que a alma, afinal, não pertence ali, àquele corpo disposto a emprestar-te umas horas de prazer. Tocar um corpo, por fora, não é sinónimo de despir um corpo por dentro.
O corpo pode ser perfeito. O primeiro encontro um sucesso. Um beijo pode saber a mel e o mundo pode estar aos teus pés. Mas, quando um corpo não despe a alma, quando o toque não te arrepia a pele, permanecerás nua por fora, mas estarás sempre vestida por dentro."

sábado, 22 de outubro de 2016

Sobre a humildade

Foi na faculdade que pela primeira vez uma colega com ar serio me disse que eu era das pessoas mais humildes que ela conhecia... confesso que fiquei a pensar naquilo e nao percebi em que sentido é que ela disse aquilo... hoje deparei-me com este texto que falo sobre isso, e concordo com ele a 100%, alias nele estão princípios que eu trago comigo desde sempre, sei que por vezes nem sempre é fácil pô-los em pratica, e sei quando passamos muito tempo com pessoas diferentes de nós, isso influencia-nos uma vezes de forma positiva outra de forma negativa... vale apena ler.

"Todos nós gostamos de pessoas simples e humildes que não se acham mais do que ninguém. Estas pessoas fogem da humildade falsa do “Eu faço tudo melhor”, do orgulho e do egoísmo desmedido. Elas, melhor do que ninguém, percebem que a arrogância das pessoas com ar de superioridade é tão insuportável quanto desprezível.

Além disso, falar com arrogância e gabar-se com muita frequência geralmente reflete algum tipo de falta, vazio ou insatisfação com a própria vida. É caso para dizer que essas atitudes são próprias de alguém que faz “muito barulho por nada”.

Muitas vezes quanto mais vazio por dentro alguém é, mais barulho faz. Quando vemos uma pessoa falando demais, interrompendo a conversa de todos, sendo precipitada ou violenta, vangloriando-se do que tem, sentindo-se arrogante e diminuindo as outras pessoas, pode ser sinal de alguém vazio. “Diz-me do que te gabas e eu te direi o que te faz falta.”

A humildade é saber silenciar as nossas forças e permitir que os outros as descubram. Ninguém está mais vazio do que aquele que está cheio de si mesmo.

As pessoas simples e humildes são as melhores porque elas não têm necessidade de competir ou de estarem certas. Elas não precisam fingir ou mentir, porque o que são é mostrado nas suas ações, na sua postura e no seu equilíbrio.

Mas há pessoas que, infelizmente, estão tão vazias que se alimentam de se vangloriar e de se gabar, estão tão vazias que procuram desesperadamente aprovação através das suas palavras vazias.

Quando conseguimos algo muito importante para nós mesmos é normal e habitual mostrar orgulho, no entanto, há uma grande diferença entre o orgulho do esforço por ter alcançado um objetivo e a arrogância.

Nada do que possamos conseguir nos faz dignos de louvor ou superiores aos outros. Apenas a bondade e a humildade nos ajudam a elevar-nos e a construir suportes para a nossa própria felicidade"

Verdade

Resultado de imagem para jamais volta ao seu tamanho original


sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Memoria/Saudade

Memoria - o bem mais precioso que temos

Saudade - aquilo que gostávamos que voltasse a acontecer

Podemos perder muita coisa mas a memoria, essa deveria ficar para sempre gravada nos nossos olhos, nos sons, nos sentidos, nos sentimentos... nunca deveria esfumar-se.

O caminho deve ser, tem quer ser, seguir em frente, mas por vezes bate a saudade e o querer viver novamente aquilo, numa tentativa de prolongar o que deixou-se por fazer.

"Somos do tamanho de nossos sonhos"
 

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Vamos dançar?

Vamos dançar? Vamos ouvir esta "batida"? Ouve o som e descontrai, vamos bailar até não poder mais... vamos ser livres, esquecer que os outros existem, vamos ser só nós numa dança perfeita, vamos tocar almas, o mundo vai parar, porque tu tens esse poder, e eu vou ser feliz, vou saborear cada instante, vou aprender a caminhar com alguém... tu terás essa capacidade e eu terei loucura suficiente para caminhar contigo... no fim da dança gostava de te conhecer, gostava de te perceber melhor, porque o essencial é invisível aos olhos e a beleza, essa vai muito mais além do que aquela que o espelho reflete, acredita! Sei que vou ter saudade tuas, alias tenho saudades tuas... tenho pena que a conversa tenha ficado a meio, tenho pena da distância ser de algumas centenas de quilómetros, mais ainda bem que assim é, nao complica tanto... A imaginação e a vida são as melhores fontes de inspiração para a mente...

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Festa de aniversario

E pronto ja acabou o dia de hoje... o dia de quê? o dia em que festejamos o meu aniversario, sim passado uma semana mas para todos virem tinha que ser assim... sabem o que gostei realmente deste dia? foi ver o olhos de alegria da minha Mãe, gosto tanto de a ver assim, quando ela está bem todo o resto é secundário... Parte da família vive na capital, portanto ja nao os via à muito tempo... no inicio sinto sempre aquela falta de empatia, falta de à vontade, se assim posso chamar mas foi bom, para o final é que estávamos todo mais divertido. Parece que daqui a um mês vamos estar novamente todos juntos para uma festa de aniversario supressa... Acho que vai se giro, o aniversariante vai adorar. 

sábado, 15 de outubro de 2016

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

E pimbas... esquecemos

Quando temos um blog, mensagens de facebook ou mensagens no telemóvel, fazemos de tudo para que nunca descubram este nosso segredo... vamos sempre ver se realmente a pagina do blog ficou fechada ou se apagamos a mensagem... até que um dia pimbas... esquecemos.

Tinha escrita uma mensagem para algum, alguém que é apenas um conhecido da dita viagem que fiz, repito nao tinha nada de mal mas também nao queria que alguém a lê-se... a tal mensagem, foi escrita em word e nunca mais me lembrei... até que o pc reinicia automaticamente e é o meu querido pai que vai ao pc... logo ao reiniciar tudo, a porcaria do computador amostra a dita mensagens em word...  Ele nao me disse nada que a leu... mas tenho quase a certeza que sim... é aquele sensação que descobriram aquela parte que eu nao queria, porque sei que só vai criar macaquinhos na cabeça dele...

Há dias assim e assado

Cada dia é uma supresa, por vezes má e angustiante, outra vezes tiranos um peso de cima e faz-nos feliz... o que me impressiona é o curto espaço de tempo que ocorre entre um e outro... ontem estava assustadíssima temia o pior, hoje estou aliviada e amanha como estarei?! uma montanha russa que teima em ter picos de altos e baixos...

O que ainda me faz bem, capaz de me manter calma: musica, a minha imaginação, esperança e fé...

 
 
P.S.: o sono já é muito... vi que tinha mensagens... amanha publico... boa noite

domingo, 9 de outubro de 2016

Às vezes...

Às vezes provo-te e adoro-te, chego mesmo a tocar-te, pareces real que até me assustas de tao irreal que és... às vezes parece que o mundo conspira a favor outras parece que nem se lembra de mim... mas eu mesmo assim teimo em te ter, porquê?? porque sou feliz naqueles milésimos de segundo quando o tempo pára e eu nem pestanejo , até que a terra lá gira e eu acordo... até podia dizer que isto tudo é uma treta, e é mas sou tao feliz naqueles instantes. Hoje beije-te, sufocaste me naquele beijo, perdi a respiração... os teus braços envolveram-me, olhei-te e a terra voltou a girar...

sábado, 8 de outubro de 2016

Tão bom

Amanhã nao vou trabalhar yupiiiiii

Vou passear com Mãe, cineminha que em principio vai ser "Os 7 magníficos", fazer umas comprinhas que já nao faço à muito tempo, e descansar, divertir-me e a noite fazer ronha no sofá... tao bommmm :)

Até segunda querido trabalho...

Parabens a mim!!!

27 já ca cantam.

Não há muito a dizer... nada é como imaginado, por isso como alguém me disse um dia "o caminho para a Felicidade é aceitares-te"

Nao faço festa de anos desde os 24, mas a minha Mãe insistiu que queria fazer, e por ela, por sentir que ele está verdadeiramente melhor depois de um ano que começou tao mau, vamos fazer. Por questões "logísticas" vai ser para o outro fim de semana... vai estar a família toda junta :)

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

O sonho comanda a vida

"O sonho comando a vida" já dizia o outro senhor... E o que eu concordo com ele... porque haveria eu de me levantar todos os dias se nao tivesse sonhos, se nao ambiciona-se alcança-los um dia!? Que outro sentido pode existir, viver só por viver!? Nao, no dia em que deixar de acreditar que é possível, esse dia será o fim... Há sonhos que vivem dentro de nós uma vida, outros vão nascendo... hoje tenho um sonho, uma ambição, uma meta, um patamar, chamem o que quiserem, se me perguntarem a probabilidade dele acontecer, digo-vos que é mínima e tao baixa... mas mesmo assim acredito nela e é isso que me dá aquele animo extra... nao me perguntem que meta é esta,  daqui a um mês conto-vos...

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Está quase...

E de repente estas quase nos 27... faltam menos de 15 dias... Ai Maria, pois é, isto está a passar rápido...

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Sentir

Há dias em que tenho mais saudades tuas, hoje tive saudade de ti, precisava de ti, simplesmente isso, por nada em especial, mas fizeste me falta... hoje farias o meu dia mais feliz, conseguirias roubar-me o sorriso mais puro, o mesmo que vejo no espelho quando penso em ti... Se tu existires, nao tardes em aparecer, tenho sede do teu abraço, tenho fome de nós, gostaria de descobrir a pessoa que sou contigo, desejo te sem nunca te conhecer... e os beijos?! esses já os consigo sentir, as tuas mãos já as sei de côr, vejo os traços do teu rosto, aos meus olhos perfeitos, mas sabes mesmo quando gosto de te observar?! quando estas distraído, ai és meu sem saber... Os traços do teu rosto faram-me apaixonar mas o que me fará amar-te é o teu carater, a tua sensibilidade, o teu humor e a tua capacidade de me fazer ser eu.... Com tudo isto duvido que existas... mas esperarei por ti... vou passar dias em que vou precisar mesmo de ti, só porque sim, esse dias vão ser mais complicado... mas vou percorrendo o caminho, e se chegar ao fim e nunca te encontrar, o que me resta?! a certeza de que nunca exististe, que foste fruto da minha imaginação, que no fim de contas isto é tudo uma treta ou então nao tive sorte... dizem que a sorte somos nós que a fazemos, provavelmente eu nao a soube fazer.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Reler o passado

Hoje foi dia de reler o passado... percorri as paginas deste diário, voltei a 2014, quando escrevi a primeira linha deste longo desabafo... no fundo és isso... és um desabafo, és o meu pensamento mudo, és o meu consciente inconsciente, és o meu segredo, és a minha noite no final do dia, és o único que realmente me conhece. Nestes 2 anos, ao reler-te vi que mudei... talves nao mudei assim tanto... a essência é a mesma, a massa é a mesma, a cobertura é que mudou um pouco... pouco, mas parece-me que mudou, tem varias camadas, tem uma cobertura mais grossa, mais firme, apesar de por vezes ainda deslaçar, tem mais capacidade para segurar o barco, se assim posso dizer. O tempo que te tenho dedicado tem vindo a diminuir, agora lembrei-me daquele gráfico matemático que quando uma incógnita aumenta a outra diminui, é mais ou menos essa relação de causa-efeito que aqui acontece...

Hoje soube que a minha Mãe mudou de função no trabalho, e fiquei feliz, acho que para o "problema" dela é melhor, é mais calmo... que corra tudo bem e que tenhas muita força interior para seguires em frente e continuares a ser a minha Mãe aquela que eu conheço. Tu ai, nao te esqueças de nos guiar ;)

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Maria Capaz: Sonhos

"Toda a gente apoia imenso quem quer seguir os seus sonhos.
É ouvi-los a lançar para o ar frases de encorajamento, sempre que partilhas as tuas ambições:
“Vai em frente, miúda, tu consegues!”
“Tens imenso jeito, dá-lhe!”
“Nunca desistas, sei que és capaz!”

É tudo muito lindo e civilizado. Sentes-te apoiada e sortuda por ter tanta gente boa à tua volta.
A vida corre-te bem.

Até os teus sonhos começarem a afectar a tua rotina e a tua relação com os outros.
As pessoas acham imensa piada aos sonhos, porque os imaginam sempre cor-de-rosa. Imaginam uma história maravilhosa em que tu sofres imenso, mas no fim consegues atingir os teus objectivos.   Imaginam-se observadores ávidos do teu percurso doloroso até ao sucesso. Quando se apercebem que não serás tu o único a sofrer, que terás de tomar opções que poderão afectá-los também, que poderás ter de escolher o teu sonho acima de tudo o resto…
Aí é que a porca torce o rabo.
É que os sonhos tiram tempo, disponibilidade e dinheiro. Os sonhos ocupam a alma, cansam o corpo. Acham que quem corre por gosto não cansa? Experimentem correr por gosto 20km seguidos e depois falamos.
As pessoas que perseguem os seus sonhos precisam de ser um pouco egoístas, porque na maioria dos casos é impossível conjugar tudo. Era óptimo que pudesses ser uma bailarina, astronauta, dona de casa e mãe a tempo inteiro, mas não há horas suficientes no dia para isso, por mais competente que sejas na arte do multitasking.
Claro que há sonhos mais fáceis de cumprir do que outros. Há sonhos que não exigem tanto de ti, que te deixam espaço para mais. Mas aqueles sonhos gigantes… aqueles que vivem dentro dos teus ossos durante uma vida… esses tiram-te o sono. Esses roubam-te o fôlego e os dias, se escolheres segui-los a sério. E atenção, ninguém te avisa disto! O que o mundo te diz é que consegues encontrar tempo para tudo, que com vontade se chega a todo o lado. O que o mundo te diz é que se fores persistente vais conseguir, só tens de ir sofrendo e aguentando até o dia chegar.
Ninguém te diz que vais magoar pessoas importantes para ti.
Ninguém te diz que vais ter de fazer escolhas dolorosas, que te vão partir o coração.
Ninguém te diz que as pessoas não te vão apoiar sempre, que nem sequer vão acreditar sempre na tua capacidade de fazer algo.
Ninguém te diz que à medida que as tuas conquistas forem crescendo, o interesse dos outros vai esmorecendo.

A vida deixa que sejas tu a descobrir isto tudo por ti, no caminho que te leva ao sonho.
É sempre mais divertido pensar nas coisas quando são hipotéticas. O sangue, o suor e o choro, são tudo menos glamourosos. Ficam mal na fotografia, metem nojo, afastam.
E tu vais sangrar pelo teu sonho. Vais suar e vais chorar tanto que perguntarás a ti própria onde o teu corpo guarda tanta lágrima. Vais perder amigos (ou, pelo menos, pessoas que julgavas tuas amigas)
E nem sequer te posso dizer que vais conseguir, porque a verdade… a verdade é que alguns sonhos são mesmo impossíveis de concretizar, por mais que tentes. Mas isso não significa que sejas pior que os outros. Não significa que sejas um fracasso ou que devas culpar-te, porque se deste o teu melhor… A culpa não foi tua.
Se falhares, não ouças quando te atirarem à cara tudo o que perdeste.
Não sintas a dor de perder tudo outra vez, a troco de um sonho que não aconteceu.

Ignora.
Não te culpes por pensares em ti, por quereres algo mais da vida que comer, dormir e cagar.
Não tenhas medo de desistir.
(Mas desiste só se quiseres)

Esquece tudo o resto e lembra-te que pelo menos tiveste a ousadia de tentar chegar mais longe. Pelo menos procuraste as estrelas num mundo de gente que não sai do chão.
O sonho é teu.
E isso ninguém te pode roubar."

sábado, 3 de setembro de 2016

M$R?A

Nao cortava o cabelo a 6 meses... hoje lá foi... e cortei o cabelo demais M$R?A

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Voltar à realidade

E já voltei à realidade, já passou quase uma semana desde que voltei de ferias... mas tenho andado motivada o que facilita o trabalho... Este fim de semana vai servir para organizar a casa, limpar e arrumar as "tralhas" da praia.

Para setembro a minha Mãe volta ao trabalho...vai ser a prova dos nove, ao fim de 6 meses de baixa vamos ver como vai reagir a todo... tenho medo que ela nao aguente o stress que é exigido... mas tenho muito Fé, a mesma Fé que tive em meados de Fevereiro, tenho tanto medo que possa voltar a acontecer, peço ao meu Deus que me guia e que me ajude nesta doença...

Agora vamos aproveitar os raios de sol que daqui a nada é Natal lol

domingo, 14 de agosto de 2016

Indo eu, Indo eu a caminho do...

A caminho da "minha" serra... é ja amanha que partimos para mais uns dias de descanso... quero aproveitar mesmo para descansar, comer e beber lol ... vou levar o PC para ver uns filmes à noite é que nos últimos tempos tem sido impossível... até 6 feira querido diário, trabalho e casinha :)

PS: Maria, tens que ser mais tolerante, falta-te crescer esse bocadinho.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Passado 2 anos...

Acho que ainda nao contei... ontem vi o outro, sim o outro, aquele que nao via à dois anos e que nos entretantos me mandou 2 mensagens... queria saber se eu tinha visto nao sei quem, e eu naquele meu nervosismos já habitual numa situação destas lá respondi, podia ter corrido pior, mais tambem nao desejo vê-lo tao cedo.

A GERAÇÃO DE MULHERES INAMORÁVEIS!

Li por ai:

"Uma vez, em um bar, ela me disse: “Neste mundo existe pessoas inamoraveis, e eu sou uma delas”…
Aquilo me intrigou durante toda a noite, uma palavra fora do dicionário que ela usava para se descrever, e por que? A observei enquanto ela, tímida, finalizava mais um copo de cerveja. Eu estava com ela havia quatro horas, quatro horas onde conversamos sobre filosofia, arte, astrologia, cinema e viagens… Quando ela se dirigia ao garçom o bar inteiro parava para vê-la… Tinha seu carro, sua casa e era do tipo que não dependia de ninguém, então por que pensar assim? Teria ela se fechado?
Ela fez uma cara de entediada e me chamou para caminhar enquanto fumava um cigarro, até a saída sorriu e comprimento todo mundo com aquele jeito sapeca de menina do mundo…
Aquilo tudo era muito pequeno e raso para ela, conclui.
Na rua todos passavam apressados, ela se divertia com os animais abandonados, abaixou e entregou sua garrafa de água pró morador da rua, explicou o endereço de uma balada em alemão para um estrangeiro perdido que agradeceu com um sorriso, comprou chicletes de uma criança
E na minha cabeça só ecoava: inamorável.
Foram horas observando aquela garota, até não me aguentar e voltar no assunto… Eu queria entender melhor, eu queria uma definição como num dicionário. Então ela pegou minha mão e me puxou para um bar onde tocava uma banda de rock, ficou em silêncio por longos 30 minutos observando tudo até que disse: – Olhe ao seu redor, estamos já a um tempo aqui. Durante esse tempo por nós passou uma garota chorando por que seu namorado terminou com ela ontem e hoje já está com outra, pois acredita que pessoas são substituíveis… naquela mesa tem 10 pessoas e elas não conversam entre si pois estão nos seus smartphones, talvez aquela garota de vermelho seja a mulher da vida do cara de azul, mas ele nunca saberá pois é orgulhoso demais para tentar. Veja o rapaz de pólo no bar, é o terceiro copo de martini que ele toma olhando pra loira tentando chamar a atenção do vocalista que fingirá que ela não existe por causa da ruiva e da morena que ele pega em dias alternados, e ele não pode ficar mal perante as outras.
Olhe ao seu redor, não fazemos parte disso, não somos rasos, realmente não fazemos parte disso, entramos sem celular na mão, esperando encontrar pessoas legais, com papos legais, com relações reais e voltamos para casa sozinhos, somos invisíveis num mundo de status onde as pessoas não vão te querer por que você mora longe, ou por que não gostam da sua cor de cabelo ou por que você não curte os beatles, acontece tudo tão rápido que as pessoas estão com preguiça de fazer o mínimo de esforço para conhecer realmente alguém e tudo é medido em likes. Eu passo por essa legião como um fantasma pois eles estão ocupados demais para ver quem está redor enquanto procuram alguém no tinder. E eu me importo? Não mais. Sou inamoravel por que não me importo com nada disso.. Nenhum desse status, não ,e importo em quanto tempo levo para conquistar a pessoa, se ela realmente vale a pena, não me importo se terei que atravessar a cidade para vê-la quando tiver saudades e não me importo se ela me presentear com um ingresso pra ir ver o show dos beatles por que é importante para ela mesmo eu detestando a banda. Por que eu sou assim, e se antes era o que procurávamos em alguém, hoje em dia somos considerados inamoraveis por manter o coração e a mente aberta.”
Naquele momento eu a entendi, e me apaixonei pelo mundo dela."


Não conte nada à ninguém e seja feliz!

Li por ai:

"Um dia, perguntei a um poderoso amigo Francês por que os ricos de sua terra eram discretíssimos em relação à dinheiro, a ponto de jamais tocar no assunto e levar uma vida de classe média. Num surto de sinceridade, meu amigo, cujas filhas só ficaram sabendo aos 30 anos que o pai tinha um avião, disse: ” Tão perigosa quanto a inveja é a capacidade de o ser humano achar que chegou ao topo. Quando ele acha que pode tudo, começa o fim.” Bruno Astuto para a GQ Brasil de dezembro, n.º 33 – Edição Especial Men Of The Year 

Minha avó já dizia, contra a inveja, o silêncio. Ninguém precisa saber da sua vida, das suas conquistas, dos caminhos que pretende seguir, dos tombos, fracassos, enfim, da sua rotina. Você não deve explicação à ninguém.
Não precisa sair por ai gritando a felicidade ou reclamando no facebook, viver a sua vida, já está de bom tamanho. Ninguém é feliz e tão bem sucedido como no facebook.
Você não precisa fazer propaganda da sua vida em uma rede social para dizer que é melhor do quê o outro. Ninguém é melhor do quê ninguém, o dinheiro faz (de conta) que umas pessoas são melhores que as outras, quanto engano.
Ficar mais em silêncio. Tenho à péssima mania de contar algumas conquistas e coisas bacanas para os outros. Mesmo sendo bem seletiva, descobri como poucas que a inveja não tem nome ou sobrenome, vem de quem a gente menos imagina. Além do silêncio, a outra meta é fazer coisas acontecerem, sem ninguém perceber. Como já disse e repito, não conte a sua vida para ninguém e verá como sera feliz.
É Bruno Astuto, se tem uma frase que marcou a minha vida e vai ser levada à risca agora em diante é essa:
” Tão perigosa quanto a inveja é a capacidade de o ser humano achar que chegou ao topo. Quando ele acha que pode tudo, começa o fim.”

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

De maes para filhos, de maes para nós

Um texto retirado por ai escrito de mães para filhos... podemos nunca sermos mães mas filhos somos todos, a vida toda, por isso cá fica:

Nem sei bem por onde começar, filha. Há muitas coisas que te quero mostrar e tantas outras que te quero ensinar. Gostava de poder preparar-te para tudo, mas não posso. E a verdade é que a vida, cheia de surpresas, perderia o encanto.

Mas há 10 coisas que te quero ensinar:

#01 És capaz. Mesmo que te digam que não serás. Só tu poderás provar isso. Um dia um professor do 9º. ano disse-me que eu não poderia nunca ser jornalista porque era gaga. Provei (a mim mesma, estou a marimbar-me para ele) que sou capaz. Basta fazer por isso.

#02 Há pessoas parvas. Há quem goste de fazer mal, de dizer mal, só porque isso lhe dá mais gozo ou porque não conhece outra forma. É passar ao lado, afastarmo-nos ou simplesmente rirmo-nos disso. Não alimentar. Ou então, faz como eu, filha, que raramente me apercebo que elas existem, porque não as procuro e até me esqueço que as há. A ingenuidade às vezes ajuda: torna-as invisíveis e só elas bebem o veneno.

#03 Não te leves demasiado a sério. Não há pachorra para pessoas que têm os ombros sempre em tensão, que fervem em pouca água, que se alteram por dá cá aquela palha e que não têm um pingo de sentido de humor. Podes ser a primeira pessoa a gozar contigo e isso não significa pouca auto-estima, muito pelo contrário, significa que és confiante de tal forma que te dás ao luxo de poder errar.

#04 És bonita. Nem sempre irás concordar, nem sempre vais gostar do que vês ao espelho, mas se souberes que o és, mesmo que não o estejas, vais contornar o reflexo. Não faças como eu que uma vez chamei "assassina" à minha mãe porque ela me ofereceu uns calções, tinha eu uns 14 anos e dezenas de complexos em cima por ser "gorda". Do que é que isso me serviu? De nada. És bonita como és e ninguém to poderá negar. Nem tu, que eu não deixo. Nunca.

#05 É normal chorar. Ouviste-me chorar quando estavas ainda na minha barriga? Perdi o meu tio querido inesperadamente e chorei, chorei muito. Comigo funciona como catarse, liberta-me dos pesos e da garganta apertada. Não resolve nada, mas ajuda-me. Chora as vezes que for preciso. Mas não percas muito tempo nisso sozinha, pede-me ajuda, não há nada que um colo morno não amenize.

#06 Não escrevas "hades" nem "fizes-te". Ninguém é melhor do que ninguém por escrever bem, mas não dar erros não custa assim tanto e demora o mesmo tempo. Para isso, aplica-te nas aulas, erra muito, mas aprende. Não te recrimines, mas sê exigente e esforçada pela vida fora. Em tudo. Vais ver que compensa, mais tarde ou mais cedo.

#07 Brinca muito. A vida toda. Ver o mundo de forma pueril e divertida faz bem à alma. Canta, dança, suja-te, diz disparates, faz um strip ao teu namorado (mas só com uns 40 anos, antes não te dou permissão), não tenhas vergonha. Diverte-te, brinca, ri-te alto, bem alto.

#08 Ama. Ama muito, de coração cheio. Confia, entrega-te, desilude-te e volta a amar. Não há amores para vida, apesar de todos eles o serem. Todos eles te constroem, te acrescentam algo, mesmo que alguns só pareçam uma conta de subtracção.

#09 Muda. As vezes que forem precisas. Muda de casa, de trabalho, de opinião. Só assim se cresce, só assim se aprende. Não há nada mais digno do que humildemente recuar. Recuar para depois avançar, sem medo.

#10 Vai. Mesmo que isso me possa custar, vai, filha. Vai, vai viver, vai ser. Viaja, parte, recomeça. Aventura-te, arrisca, sê corajosa. No meu coração a palavra "regresso" vai estar gravada, mesmo que dele nunca partas.

sábado, 6 de agosto de 2016

Oi, voltei...

"O defeito profissional de quem olha para a periferia da vida, de quem tem o olhar camaleónico dos ângulos mortos."
 
 
E já foi e já vim... este ano as ferias voaram como nunca tinham voado... com sabor a toda e com a certeza que só quando saímos da nossa zona de conforto é que conseguimos e mais nao digo. Falta-me a coragem.
 
Para a semana à mais... espero que desta vez com menos calor.

domingo, 24 de julho de 2016

Boa Noite!

Anda por ai uma alminha a estas horas da noite (03:50) a ler o blog, quem será, alguém que nao tem sono? Se quiser pode acusar-se :)

Fim de semana para organizar tudo, casa e trabalho... até amanha.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Nem mais...




Um dia foi o Dia... um dia vai ser o Dia...

Bem, mas adiante... estou quase de ferias... quase, quase rumo ao sul. Este ano estou em vantagem já tive aqueles 3 dia em França (que saudades) mas claro ferias nunca são demais. Neste momento vivo com mil sonhos em mim, vivo com todas as esperanças, aqueles dias longe daqui, longe de tudo e de todos que me são familiares, fez-me muito bem, nao tanto a nível físico mas a nível emocional, se assim posso dizer, deu-me confiança, estou muito "fechada" neste circulo de pessoas e conhecer pessoas novas foi recuar no tempo e redescobrir-me se assim posso dizer.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

E o segredo é...

E o segredo é passar a limpo o papel de rascunho, aquele feito na nossa cabeça onde "ele" estava presente em todas as fotos já imaginadas... o segredo é ir connosco mesmo, onde sempre quiseste chegar e se pelo o caminho alguém aparecer então redesenhamos a historia... mas nao te esqueças nunca vai ser como sonha-te, "apenas" vai ser... Um dia falamos.

terça-feira, 19 de julho de 2016

O meu tabu...

O desejo de conduzir é tao grande assim como o medo...

Já lá vão 5 anos e nunca mais peguei no carro, é nao me perguntem porquê, não há uma explicação logica...

Hoje a noite sem ninguém por perto na garagem assentei-me no banco do condutor (algo tao banal que até um miúdo faz) com o carro desligado apenas experimentar os pedais, o travão, o ponto de embraiagem, por mudanças, etc.... isto sempre com o carro desligado... e a única coisa que me veio à cabeça foi: como é que fui capaz de tirar a carta?!? isto é horrível... como é que toda a gente consegue andar por ai como se fosse a coisa mais simples do mundo?!? que odio.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Made in: Capazes

"Tu caíste e não te conseguiste levantar, tentaste tudo, pediste ajuda, tentaste sozinha, rezaste a todos os anjos em que acreditavas, desististe de tentar, tentaste outra vez e não saístes do chão.

Agora que estás no chão e não te consegues levantar de nenhuma maneira, deixa-te estar, se não há mais nada a fazer, desfruta do chão, descansa das vezes que te tentaste levantar, senta-te, respira e acalma-te. Não stresses, lembra-te da mulher forte que és, lembra-te de todas as vezes que já te levantaste.

Já calma, respira fundo só mais uma vezes, agora é a parte da prática, vais ter de usar todas as forças que (ainda) tens, vais ter de largar os medos e pessimismos, e levantar-te. Levantar-te… com tudo o que tens, levanta-te. Finalmente de pé, longe do chão, usa aquele teu perfume de que me estavas sempre a falar, aqueles calções que ficavam bem com as botas.

Erra, cai, chora, chora muito, ri ainda mais, chateia-te, defende os teus valores, canta no meio da rua, dá-te com amigos diferentes, usa e abusa das tuas qualidades, melhora os teus defeitos. Sê a pessoa mais feliz do mundo.

Tu és mulher, sabes bem o que é sofrer, sabes bem o que é sentir 400 sentimentos ao mesmo tempo e não ser possível descrever nem um, mas também sabes o que é ser forte, o que é disfarçar umas olheiras, o que é disfarçar um choro com um sorriso, dizer que está tudo bem, quando nada podia estar pior. Vá, miúda, sê feliz e contagia os outros com a tua felicidade.

Só mais uma coisa… sê feliz."

quarta-feira, 13 de julho de 2016

E ganhamosssssssssssssssssss

E ganhamosssssssssssssssssss... Eu sei que já venho tarde, mas nao é que ganhamos mesmo!!!

2016 o ano em que andei de avião pela primeira vez, o ano em que vi a minha seleção jogar ao vivo em Lyon, o ano em que ganhamos pela primeira vez o campeonato europeu... yupi :)

Que venha o mundial 2018... até lá Rússia!

quinta-feira, 7 de julho de 2016

As vezes penso que se este mundo nao fosse tao virado para a imagem seriamos muito mais felizes... todo roda a volta da roupa, maquilhagem, cabelos, unhas e nails, cinturas estreitas, calças justas, saltos de agulha... amanha continuo

terça-feira, 28 de junho de 2016

Nao sei se sou só eu....

Nao sei se sou só eu....  mas nao gosto de falar sobre mim, é como se tivesse sempre à defesa... isto acontece com aquelas pessoas a que chamo-mos de conhecidas, nao gosto de me alargar quando a conversa é sobre a minha pessoa e tento assim que possível mudar de assunto.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

É um facto

Nao gosto falar sobre mim, nao gosto de perguntas diretas sobre a minha pessoas... é como se tivesse sempre a defesa... serei a única!?

domingo, 19 de junho de 2016

Viajar#Sozinha#França#Antesdos30

E Adorei...

Valeu apena... adorei tudo o que havia para adorar... todos os medos passaram... e do medo surgiu a força e a vontade de ir para o desconhecido com desconhecidos... como foi bom conhecer um pais com pessoas desconhecidas, como foi bom partilhar experiencias, como foi bom vibrar num estádio com milhares a torcer por Portugal, como foi bom "dançar na bancada", como foi bom ser turista no estrangeiro e andar "por ruas nunca dantes navegadas", como foi bom comprar lembranças para trazer, como foi bom conhecer um rapaz, que apesar de andar sempre a evita-lo o ultimo dia até valeu apena (desculpa qualquer coisinha, nao foi por mal), da comida nao vou falar (uma desilusão, a exceção das sobremesas)... a noite magnifica uma cidade à media luz, o tempo parou conseguiu-se prolongar tudo por mais tempo (tive essa sensação), os monumentos "espreitados" são um encanto... as pessoas, essas torce-as comigo!

Um sonho tornado realidade, uma viagem à muito planeada, um desejo mais do que sonhado, que me caio do céu ou do trabalho suado ou da ironia do destino, nao sei...

Viajar#Sozinha#França#Antesdos30 - CHECK


 Musica Oficial Euro 2016
 
 Ir à loucura e voltar, porque amanhã o mundo estará igual, à espera. Mas se tivermos sorte, nós sim mudámos, para descobrir algo maravilhoso que nem sabíamos que éramos.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

A precisar de desabafar...

Olá portugal... ja estou em França já passou um dia... ainda é uma sensação estranha pois não estou só a conhecer uma cidade que por sinal é bonita e de noite tem aquele enconto... mas também estou a conhecer as pessoas que vieram neste grupo até França... e como sabem a minha timidez crónica é terrível... às vezes tenho aquela sensação que falo pelos cotovelos e que fala de mais, outras vezes nao abro boca nem sei o que dizer... um rapaz giro meteu conversa comigo e enquanto tivemos em grupo todo bem, o pior foi quando ficamos sozinhos,  simplesmente o meu cérebro parou... sou um verdadeiro desatre no que toca a rapazes

domingo, 12 de junho de 2016

Check

Check... são 3 da matina e entrei oficialmente de ferias... já está tudo organizado para a pessoa que me vai substituir entrar 2º feira... Agora meus queridos, só volto na 5º feira, vão ser 4 dias longe destas minha rotina, um pouco ou quanto cansativa mas que nao deixa de ser prazerosa, entre dias muitos bons e dias menos bons, entre conquistas maiores e menores este é o meu trabalho que adoro... mas verdade seja dita, estou mesmo a precisar de descansar de ti, querido trabalho... hasta la vista ;)

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Contagem decrescente

Ansiosa para me sentir noutra terra, noutro pais... descobrir o cheiro, o perfumo e o aroma de França e trazer como recordação... quero descobrir novos sabores, dizem que tem uma gastronomia maravilhosa, talvez nao tao boa como a nossa, nao sei... quero ter mil olhos e observar todos os recantos e guardar na caixinha da memorias... e a musica, será que vou ouvir musica francesa?.. quero trazer lembranças para o pai e para a mãe que ficam cá... quero ter os sentidos bem apurados para sentir tudo.

O sonho de conhecer um outro pais é maior do que o medo que tenho... o medo de nao conhecer ninguém, de ir com um grupo completamente desconhecido... mas o desejo de ir é tao grande que nao me importo... certamente irei juntar-me com pessoas com quem tenha mais empatia, e depois vão ser só 3 dias, vai passar num ápice.

Sim, também já pensei nisso... a ameaça de atentados é grande, os jornais falam nisso e confesso que por vezes penso nisso, mas tenho fé que tudo ira correr bem... vou levar um amuleto comigo, algo que num passado recente me/nos protegeu... bem, é ja domingo, talves ainda venha cá dizer mais alguma coisa, até já.

Citações de um texto que adoro, retirado por ai:

Ela tinha decidido que não seria como aquelas pessoas. Olhou para os bilhetes que tinha na mão. A viagem que tinha sempre querido fazer....Não se preocupou em esconder; ela era aquilo tudo, a loucura, a emoção, a tristeza, a alegria e o amor. Partiram e aproveitaram aqueles quinze dias que ele tinha conseguido... .No dia em que tinham de voltar, ele fez a pergunta, com temor na voz: “Estás a morrer? ”E ela respondeu “Não estamos todos? ”Ele percebeu... Ela tinha cumprido, e agora voltava à sua vida normal, longe dos seus delírios estivais, mas cheia de vontade de continuar a ser aquela pessoa nova que sempre tinha sido e agora tinha descoberto... Quis explicar. Quis dizer que estavam todos à espera que algo de especial acontecesse, quando o único que acontecia era a vida, e eles não percebiam. Quis explicar que só tinha finalmente percebido o que era importante, realmente importante, pelo menos para ela: sermos nós. Ir à loucura e voltar. Livres e sem medos, sermos loucos e depois voltar à realidade. Ir à loucura e voltar, porque amanhã o mundo estará igual, à espera. Mas se tivermos sorte, nós sim mudámos, para descobrir algo maravilhoso que nem sabíamos que éramos.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Continuaçao do post anteiror...

Só para começar a sentir-me uma verdadeira turista, cá fica uma imagem da esperada cidade... alguém consegue adivinhar qual é/ já alguém lá foi?


terça-feira, 31 de maio de 2016

Eu vou a FRANÇAAAAAAAAAAA

Este ano aconteceu muita coisa, muitas alegrias, muitas tristezas, muitas lagrimas derramadas, muito suor perdido, muita garra, senti o mundo virar do avezo no bom e no pior dos sentido... tem sido um misto.

Desde que tenho este diário, muito me queixei da falta de tempo, lamentei-me e muitas vezes achei-me ingrata, pois tomaram muitos terem um trabalho e uma família... Muito escrevi aqui sobre o desgastante que era o meu trabalho, as horas que eu lá passava, os fins de semana perdidos, os feriados que nao existiam... mas sabem o que eu pensava, o que me dava força: um dia todo isto vai valer apena, um dia vou ser compensada...

Hoje recebi uma noticia... "ganhamos" por mérito próprio uma viagem a França tendo como tema o Euro2016, sendo assim vão ser 3 dias com direito a ver um jogo de Portugal, nao vai ser em Paris, mas mesmo assim estou tao feliz, finalmente vou viajar, vou andar de avião e logo a França, a minha viagem de sonho, claro que nao é em Paris, mas mesmo assim estou Feliz.... há, infelizmente o premio é so para uma pessoa, fui inserida num grupo, por esse lado também vai ser uma aventura pois nao conheço ninguém...

Se vos disser que chorei de felicidade, da para acreditar... sonho com uma viagem destas a tanto tempo...

O que posso mais dizer... lutem sempre, mesmo quando nada parece acontecer... lutem mesmo quando as forças já se foram...lutem, porque um dia vai mesmo valer apena... um dia o esforço vai recompensado, mesmo quando apetece desistir, mesmo quando sentimos que estamos sós... uma dia vai ser o Dia....

É ja para a semana... vai ser uma semana de ansiedade... até ja.

P.s.: Ainda por cima eu que adoro a seleção, nao gosto de futebol mas a seleção é aquela coisa.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

E já que vou lançada...

Olá, ainda estás ai!?

Desculpa a minha ausência...

O que hoje venho aqui dizer-te são palavras vagas, nada de mais e tudo de novo.

Começo por dizer-te que a vida surpreende-me... no fim de contas é deixa acontecer, e por mais estranho que pareça as coisas as vezes acontecem... mas nunca te deites "à sombra da bananeira"...

O passar dos tempo ajuda mesmo... mesmo quando me sinto a mesma, os anos acabam por trazer resultados (ou nao, mas isso ja é outra historia)

Sabes uma coisa, afinal sempre vou ter 2 semana de ferias, repartidas em duas partes, uma semana na praia e mais tarde uma semana no meu refugio... e a semelhança do ano passado, este ano vamos para uma praia nova, escolhida por mim. Por estas bandas conhecemos muito pouco do algarve, então de à 3 anos para cá, decidimos ir sempre para um sitio diferente... este ano vai ser Vilamoura... adoro a sensação de estar num sitio novo, gosto de descobrir cheiros novos, nao sei se é uma pancada minha, mas é das coisas que guardo comigo é o aroma do ambiente em que estou, e as ferias tem sempre aquele cheiro maravilhoso... Ah e estou de acordo com aquela frase "Nunca voltes ao lugar onde já foste feliz" e no ano passado fui muito feliz em Albufeira.

O que te posso dizer mais? Que continuo uma "romântica" e a tentar encontrar no meu silencio, na minha sombra alguém... numa tentativa invisível, numa luta impossível de te encontrar, tu que ainda nao nasces-te, que nao existe, mas mesmo assim tento descobrir, e nesta tentativa desumana, apaixono-me por expressões, por rostos, por palavras, por corpos, por olhos que brilham, por conexões inexistentes...
Nao era para te dizer isto mas já que vou lançada, e para saberes como a vida é irónica (sim a vida é muito irónica) ainda antes de começar a escrever este blog, ou seja em  2013 tive uma pancada por rapaz que ironicamente um dia meteu conversa comigo já no famoso facebook, e eu claro nada... nisto passaram uns meses... ate que ele, como é obvio começou a namorar com uma fulana... até ao mês passado, que pelos visto terminaram e voltou para casa dos pais... tudo bem até aqui... e nao é que ironicamente passados 3 anos e sendo cerca da 1.50H da matina (vi isso no dia seguinte) recebo uma notificação que o dito moço me pede o numero de telefone e diz que "podemos falar por sms" e coloca um like na foto de perfil... estás bem a ver a minha cara....ahhhhhhhh, mas queres mais um ironia!? ao que parece e é mesmo verdade, o dito cujo voltou  para a moça, já esta tudo bem, com fotos de perfil felizes e apaixonados... acho que nao vale apena dizer mais nada, pois nao (ah sou para ficares descansado/a, eu já nao sinto nadinha pelo moço mas que há coisas estranhas há)

(Aquele "cheirinho" a Albufeira)

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Sonho de mais...

Sonho de mais... a minha imaginação fértil, deixa-me ver-te, sentir-te, tocar-te, és real enquanto penso em ti... e tu és o rapaz simpático que hoje me deu conversa, tu és o moço que cresceu e até está giro, tu és aquele que vais lá todos os dias mas que nao sei nada de ti,  tu és a minha mente que te define e que sonha contigo, um sonho quase real, que invade os pensamentos demasiadas vezes, mais do que devia, e odeio-te por isso, melhor odeio-me, porque tu que nem sabes quem és, nao tens culpa dos meus pensamentos românticos e pouco ortodoxos.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Só porque sim...

Só porque são 3 da matina... e com se nao tivesse mais nada para fazer (mentira, tenho de dormir) e como hoje foi um dia exausto (e nao é ironia)... finalmente me assentei com o cérebro a meio gás e ando para aqui a ler umas coisinhas e lá fui parar as "CAPAZES" e deparei-me com mais um texto, que numa outra vida poderia ser eu aquela miúda, sim noutra vida... há a meio do texto, naquela que fala de amor, ai é que ja duvido, que mesmo noutra vida possa existir.

"Sim, foi sexo no primeiro encontro. Mas não, tu não a “comeste” como espalhaste aos ouvidos dos teus amigos. Até porque as pessoas não são comestíveis.
Sim, foi sexo no primeiro encontro. E foi selvagem. No carro, na casa de banho da discoteca, numa cama desconhecida. Ela tinha até preservativos na mala. Ficaste embasbacado. Mas não, ela não foi fácil. Ela é uma mulher precavida. Nem tampouco estava embriagada. Ela fê-lo conscientemente. Porque quis. Porque teve vontade. Porque o desejo devorou-a e ela deixou-se dominar pela Deusa da Luxúria. Ponto. Tu não abusaste dela. Tu não te aproveitaste do seu corpo.
Ela sabia que não ia durar para sempre. Por isso vocês nem trocaram contactos. Ela não esperava que tu lhe ligasses na manha seguinte para saberes como estava. A verdade é essa: ela não esperava nada de ti. Depois dessa noite fugaz, ela vai levantar-se da cama, vestir a sua roupa casual e vai voltar ao escritório, onde o trabalho a espera. Ela vai continuar a sair com as amigas. Ela vai ao cinema, ao café e ao bar da cidade. Ela vai continuar a lavar e a passar a sua roupa. Ela vai continuar a cozinhar e a arrumar a casa.
A verdade é essa: ela não precisa de ti nem vai chorar ou lamentar-se por ter sido «uma noite e nada mais». Ela sabia que não podia durar.
Ela acredita que os corpos podem conectar-se e se tu pensas que te perdeste nas deliciosas curvas do seu corpo? Tenho algo para te confessar, ela perdeu-se no teu, igualmente.
Foi físico. Sem sentimentos, sem conexões mentais.
Ela pode fazê-lo de novo com o rapaz que trabalha na padaria ao lado ou com o mecânico que mora no prédio da frente.
Ela pode. Ela fará. E ela continuará a ser quem é. Mesmo que tenha esquecido a cuequinha preta de fio no banco de trás do teu carro. Mesmo que o seu cheiro se tenha entranhado em vários lençóis.
Ela pode. Ela fará. Porque o corpo é seu.
Ela acredita em amor, claro que acredita. E acredita que é possível duas almas conectarem-se.
Ela não deixa de acreditar só porque te entregou o seu corpo.
E um dia ela vai casar, vai ter filhos, uma vida maravilhosa e uma família linda. Ainda que já tenha rebolado noutras camas. Ela vai porque nem tudo na vida se baseia em conexões físicas e mentais, ela sabe da existência das conexões entre almas e um dia a sua alma irá conectar-se a alguém por quem ela sabe que valerá a pena ficar. E quando ela encontrar, eles irão trocar contactos. A relação não será volátil. Mas o sexo será mais selvagem que outrora.
Ela não te deu. Ela desejou-te e compartilhou esse mesmo desejo contigo.
Mas tu chamas-lhe fácil, fácil, fácil, fácil. Chamas-lhe fácil, pelo simples facto, de não aceitares que uma mulher possa ter uma moral sexual tão semelhante à tua.
Mas ela não é fácil. Nunca foi. Ela é humana. Ela é mulher. E as mulheres de verdade das frases feitas que partilhas no Facebook, não existem. Porque uma mulher não se define pelo número de homens com quem se deitou. Ser mulher é outra coisa. Vai além do teu entendimento. Mulher é um ser superior. Mulher tem algo. É enigma. Amor. Desejo. Vontade.
O número de corpos em que o dela se enroscou não determina o respeito que deverás ter ou não por ela.
Mulher é de outro mundo. Outro universo. Mulher é algo sem definição.
Mulher é para ser respeitada. Independente da forma como encara a vida. Respeita-a. Ponto."

terça-feira, 5 de abril de 2016

Permites-me falar de "amor"?

Permites-me falar de amor?

As vezes gostava de ter dois caminhos, experimentar um e outro, e então, depois decidir... Se pudesse ter esse dois caminhos e no fim escolher "aquele", nao duvides que arriscava, nem que fosse para tirar estas duvidas... gostava de te amar, de te tocar, de ser tua uma vez na vida... se tivesse essa ousadia, no fim poderia continuar tudo na mesma... mas eu sei, que nunca mais seria como dantes...

Poderia continuar mas é melhor ficar por aqui...

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Do dia de ontem...

Ontem fui até a capital, fui passear... é aquele passeio mais ou menos trimestral que tento sempre fazer... comprei umas coisinhas giras para mim, é que tenho sempre aquela sensação de nunca ter nada para vestir e desde que comecei a trabalhar vou tentado aos poucos comprar umas roupinhas bonitas... mas mesmo assim tenho essa sensação, deve ser da minha "excelente" vocação para a moda...

Ah, no ultimo post tinha falada numa passadeira para correr em casa, pois são caríssimas por isso fique por uma bicicleta, ainda nao a tenho, nao tinham nada em stock e só para a semana é que me entregam, espero que isto traga alguns resultados.

A minha Mãe está muito melhor, mas nao podemos dizer que está a 100%, a baixa vai continuar... a recuperação esta a ser lenta... agora meteu na cabeça que nunca vai ficar boa, vai ficar assim para sempre, sente-se incapaz de trabalhar... eu tento explicar que é da doença, mas é tao complicado.

sábado, 2 de abril de 2016

Aquele momento...

Hoje fique com esta cara...
 
Imagem relacionada
 
 
 
... quando no fim de atender um cliente, este me diz em tom baixo "nao sei se a senhora é casada, mas é muito bonita"
 
A minha alma ficou parva... nao faço a mínima ideia de quem era... e saiu-me apenas um obrigada.

segunda-feira, 28 de março de 2016

Hello

Olá querido diário... parece que por aqui as coisas estão a encarrilhar... ontem consegui tirar o dia para passear (finalmente).

No próximo domingo tambem vou passear, vai ser aquele passeio até à capital (como gosto de o fazer).

Ontem tive uma ideia luminosa, nunca me tinha lembrado disto antes... acho que vou compra uma passadeira daquelas para correr/andar... é impossível ir ao ginásio, andar por ai a pé tambem nao é uma boa opção, e começo a sentir falta de fazer exercício físico... quando fizemos a mudança consegui emagrecer... numa semana perdi uns quilinhos porque foi uma semana de grande esforço físico, sentia-me mesmo bem. Depois tudo voltou a rotina e ja voltei a engordar um pouco e como gosto de comer pior... portanto, vou investigar os preços e escolher a melhor (já sei que essas coisas nao são muito baratinhas).

Agora vou ver o filme a "I Origins" as criticas parecem ser boas, vamos lá ver.

quarta-feira, 23 de março de 2016

Escolhas

“Nunca nada é igual. Nunca nada se repete. O tempo não espera por ninguém e a vida também não. E quem não consegue fazer escolhas, um dia acorda e percebe que a vida já as fez todas, é impossível voltar atrás.”
 
P.S.: Cansada fisicamente, sem fins de semana há 2 meses... espero que este domingo consiga um descanso, estou mesmo a precisar de repor energia... como é domingo de Pascoa gostava de ir sair vamos lá ver, estou a precisar de sair daqui, mesmo.