sexta-feira, 24 de abril de 2015

Baloiço

A vida balança como uma criança num baloiço de jardim, umas vezes a um ritmo lento, outras vezes quase que te empurra para fora do acento, umas vezes faz-te quase tocar no céu, outras vezes, por vezes, vezes de mais, mal levantas os pés do chão... Mas tu baloiças, ao ritmo do vento, das marés, do medo e da força gravítica... e tu lá continuas. Há aqueles dias que as tuas pernas ganham uma força que desconheces, nesses dias o baloiço vou até onde tu queres, noutros dias, por mais que queiras o baloiça não balança, precisavas de um empurram, apenas um toque que te fizesse ganhar impulso. Às vezes nem com um toque vais lá, porque tu és provavelmente a única impulsionadora das tuas força, és a dona das tuas capacidade, do teus desejos, porque tu és tu e o baloiço não tem que voar sempre.

Sem comentários:

Enviar um comentário