sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

À procura

Porque já devia estar a dormir, e não estou... porque ando por aqui a divagar, à procura de porquês, à procura de respostas, à procura do amanhã... porque penso de mais, porque penso em tudo, talvez devesse ser menos "calculista", talvez deve-se ser menos metódica... bem, assim também não seria eu, seria outra Maria qualquer... Mas as noites têm destas coisas... a escuridão, o silencio e a solidão tem destas coisas... A minha solidão não é igual à tua, não é igual à dele, não é igual à vossa...  é uma solidão rodeada de gente, que entra até onde eu permito, cheia de escudos de aço, uma armação criado por mim, que impede a entrada nesta minha solidão sem a qual já não sei viver... A minha solidão tem gente, tem vozes, tem pegadas, tem gritos... com limites. No mundo da minha solidão, o silencio tem palavras, tem frases, tem gritos de ajuda... ajuda a voar, ajuda a levantar os pés do chão, ajuda a esfolar os joelhos e de seguida a levantar-me... o silencio tem musica, tem melodia, tem o Dó, Ré, Mi, Fá, Sol... tem o Sol que ilumina em dia de boas abertas... No silêncio do meu mundo é possível ser feliz... apreende-se, acostuma-se, cresce-se sem conhecer o outro lado, até fazer parte do ADN. Já faz.

P.S.: Chega, como dizer chega!? Ele insiste, persiste... e eu não sei o que fazer/dizer?

Sem comentários:

Enviar um comentário