domingo, 25 de maio de 2014

Conselhos


Conheço o blog do Ted desde o primeiro dia... e esta semana ele partilhou o seguinte:

"Vou passar a noite a estudar, ou pelo menos a tentar. Sinceramente só me apetece mandar a cadeira "ao ar". Estou tão farto da faculdade, farto desta pressão, farto que o meu curso não seja o "meu curso".

Se não estivesse nesta sociedade e eu não fosse quase "obrigado" a segui-la, pegava nas minhas coisinhas e pirava-me de lá.

Não sei como consigo ser assim, mas ás vezes desinteresso-me mesmo pela faculdade. Em tudo na minha vida sou persistente e lutador, mas no toca à parte académica sou o maior desleixado de sempre. Faço sempre os mínimos mas o problema é que o mínimo não chega no curso em que estou.

Não era isto o que eu queria mas agora sinto que não há volta a dar e se desistisse iria dar um desgosto aos meus pais. Mas a continuar assim vou demorar 5 anos a acabar um curso de 3 e ainda tenho de ir ao mestrado.

Tenho que atinar mesmo. Se alguém tiver uns conselhos para mim, agradeço de coração."


Pois, eu adoraria ter um conselho para dar, mas não tenho (também nunca foi muito boa a dá-los)... o que dizer a alguém que nos conta isto? não sei... se alguém souber...?

7 comentários:

  1. Eu não o conheço. Nunca vi o seu blogue. Mas o conselho que lhe deixaria seria algo assim:

    Nunca temos as respostas. Creio até que nunca iremos ter, vamos sempre andar rodeados de muitas incertezas durante toda a nossa vida.

    Porém para lá de um mar de incertezas há o amor, o verdadeiro....o dos amigos e o da família. Esse permanece para lá das incertezas. Para eles nada me faz mais feliz que ver um amigo verdadeiramente feliz.

    Por isso não te moldes a uma sociedade que não sentes tua. Sê fiel a ti próprio e àquilo em que acreditas...seja lá o que isso significa. Sê louco o suficiente para o fazer. Dias há em que tudo me cansa, a sociedade, o mundo e a perfeição que é exigida a cada um de nós. Depois paro. Não é esta azafama que quero para mim, nunca foi e creio que nunca há-de ser. E por isso sigo ao meu ritmo, à minha forma tentando viver numa sociedade que me prende, me exige o que não tenho nem quero quer. Tento à minha maneira...

    O que quero que saibas é que acredito que for que queiras fazer, és capaz. Não te conheço. Porém se te dizes persistente e lutador também és capaz da resiliência suficiente para continuar. Com muitos altos e baixos mas o importante é continuar (seja lá o que isso for). Todos somos capazes do mundo se acreditarmos e fizermos por isso.

    Abraço apertado,
    Paula

    ResponderEliminar
  2. Eu senti a mesma coisa no final do 3º ano e prolongou-se pelo 4º. Acabei por concluir o curso, para não me desiludir a mim própria inicialmente e depois aos meus pais.
    Não é fácil lidar com estes sentimentos. Não conheço o Ted, mas com certeza que pelo que li no texto que transcreveste é alguém com muito juízo. Como sempre ouvi, informação nunca é de mais. Depois o que faremos com ela, somos nós que decidimos. Ele é que terá de decidir...é preciso acalmar o "processador", reiniciar se for preciso...

    Tal como tu não tenho muito jeito para conselhos (deu para notar né?), apesar de gostar de os ouvir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inês, acredito que quando precisamos de ouvir conselhos, todas as palavras são bem-vindas :)

      Eliminar
  3. R: Pois, é verdade... Mas eu já valorizava a presença e de repente... :(

    ResponderEliminar
  4. Obrigado Maria por partilhares, significa muito para mim. Os teus comentários no meu blog são sempre um "+" no meu dia. Tenho a certeza que és uma pessoa incrível :))

    Obrigado pelos comentários Inês e Paula, levo muito dos vossos conselhos !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De nada... é bom saber isso :)

      Eliminar
    2. Espero que a minha confusão de comentário tenha ajudado em alguma coisa! :) E claro que nada a agradecer...

      Eliminar